ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos

Quando faltavam três dias para o Natal de 1988, os olhos de todo o planeta se voltaram para uma cidadezinha pobre e violenta dos confins do Brasil: Xapuri (AC), cercada pelo inferno verde da Floresta Amazônica, a poucos quilômetros da fronteira com a Bolívia. O que pôs Xapuri no centro do mundo foi o assassinato de Chico Mendes.

700841-970x600-1 temporario

Foto:Adrian Cowell

O lider seringueiro Chico Mendes, em foto de 1987, em Xapuri (AC).

Ricardo Westin/ArquivoS/Ag.Senado

O seringueiro, ambientalista e líder sindical foi executado com um tiro de espingarda no quintal de sua casa, na noite de 22 de dezembro. Ele tinha completado 44 anos uma semana antes. A polícia logo prendeu os responsáveis pelo crime, dois fazendeiros, que foram condenados a quase 20 anos na cadeia.

Documentos históricos mantidos sob a guarda do Arquivo do Senado contêm os discursos feitos pelos senadores da época e ajudam a mostrar o significado do episódio ocorrido 30 anos atrás: o assassinato de Chico foi o grande divisor de águas da questão ambiental não só no Brasil, mas no mundo. "Hoje os sinos dobram por esse líder que só passamos a conhecer depois de sua morte", discursou o senador Leite Chaves (PMDB-PR).

Chico, de fato, era um ilustre desconhecido. Fazia uma década que, de Xapuri, ele pregava contra a destruição da Amazônia sem ser ouvido. Em Brasília, o poder público ignorava sua existência. A imprensa do eixo Rio-São Paulo tinha vagas informações sobre Chico Mendes e preferia não publicá-las. Ele era filho e neto de seringueiros. Desde criança, acompanhava o pai nas incursões na mata para extrair látex. O fluido esbranquiçado da seringueira é a matéria-prima da borracha.

Terra de iletrados
Foi só adulto que Chico aprendeu a ler e escrever. Numa terra de iletrados, ele foi rapidamente alçado ao posto de líder. No fim da década de 1970, ajudou a criar em Xapuri um sindicato de seringueiros, do qual foi presidente até ser assassinado. "Aqui nos sentimos um pouco culpados por sua morte", continuou o senador Leite Chaves. Acabamos de fazer uma Constituição que abre caminhos a todos. Demos até aos índios segurança de suas reservas, mas não garantimos aos seringueiros o seu habitat, onde têm vivido por gerações.

A Constituição havia sido promulgada em outubro de 1988, pouco antes do assassinato. Chico Mendes chegou a participar de debates da Assembleia Nacional Constituinte referentes ao meio ambiente. Como seu nome não tinha peso, acabou sendo só mais um no meio dos militantes das diversas causas sociais que buscavam ser ouvidos.

Assassinato 1 temporario

Foto:Reprodução

No início, Chico lutava só pelos seringueiros; com o apoio de ONGs estrangeiras, passou a defender o meio ambiente.

“Pulmão do mundo”
A invisibilidade dentro do Brasil contrastava com o estrelato no plano internacional. Desde 1986, Chico recebia com frequência, em sua precária casa de madeira em Xapuri, diretores de ONGs ambientalistas da Europa e dos Estados Unidos e correspondentes dos jornais mais influentes do mundo, como o New York Times, que se referia a ele como “Mr. Mendes”. O mundo já se mostrava incomodado com os desmatamentos e os incêndios na Amazônia, que avançavam com fúria, para abrir terra para criações de gado e plantações. O clichê que mais se ouvia era o de que a floresta precisava ser salva porque era o “pulmão do mundo”.

A destruição da selva era, na prática, uma política de Estado no Brasil. A ditadura militar havia dado incentivos financeiros para a instalação em massa de fazendeiros na Amazônia. O senador Mário Maia (PDT-AC) afirmou: "Com seu trabalho obstinado e fecundo, Chico Mendes esperava desmentir o discurso ecológico do governo. Na verdade, o que é estimulado é o desmatamento generalizado. Ele presenciou em muitas situações a política do governo protegendo o desmatamento e dando guarida aos matadores de seringueiros".

Numa frente, o governo buscava criar latifúndios que impedissem focos de subversão comunista na mata semelhantes à Guerrilha do Araguaia. Em outra frente, estimulava o povoamento da selva de modo a desarticular uma suposta conspiração externa que tomaria a Amazônia do Brasil, colocando-a sob domínio internacional. "Que o símbolo de Chico Mendes sirva de alerta e advertência para a nação", discursou o senador Antônio Luiz Maya (PDC-TO). "Somos nós, o governo e o povo brasileiro, que temos de cuidar da Amazônia, defendê-la da ganância alheia, preservar suas florestas imensas, sua variedade das espécies vegetais, animais e minerais e sua imensurável bacia hídrica, com enorme potencial de navegação e energia hidráulica".

Motosserra
A primeira providência dos fazendeiros assim que se apossavam da floresta era ligar a motosserra, para desespero dos seringueiros. Além do látex, as famílias dos extrativistas dependiam da castanha, do babaçu, do mel etc. para sobreviver. Em reação, Chico passou a organizar barreiras humanas que, pacificamente, punham-se na frente dos peões contratados pelos fazendeiros e impediam a derrubada da mata. Foi então que Chico Mendes começou a despertar a ira dos latifundiários.

Assassinato 2 temporarioEm 1985, os seringueiros fizeram em Brasília o seu primeiro grande encontro fora da Amazônia para chamar a atenção do governo para o risco que corriam caso as políticas públicas para a floresta não fossem repensadas. O evento ocorreu na Universidade de Brasília. Foi graças ao evento que ONGs ambientalistas internacionais tomaram conhecimento da existência de Chico Mendes. "A UnB se orgulha de ter sido a plataforma que ajudou a projetar Chico Mendes no cenário mundial", diz hoje o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), que na época era o reitor da universidade. A aliança que ali se formava mudou radicalmente os destinos das duas partes.

As ONGs europeias e americanas encontraram em Chico o rosto humano que faltava para justificar a preservação do meio ambiente. Até então, elas pregavam a defesa da natureza como um fim em si, sem relação com a vida das pessoas. O ambientalismo, por isso, não empolgava. Para muitos, era um devaneio de hippies que abraçam árvore. Chico, que vinha lutando apenas para garantir a sobrevivência dos seringueiros, sem ter o meio ambiente como foco, transformou-se num ecologista e passou a contar com a organização profissional, o know-how político e a visibilidade mundial das ONGs.

Os novos aliados levaram Chico Mendes ao exterior para que gritasse contra o desmatamento da Amazônia. Nos Estados Unidos, recebeu um prêmio da ONU e falou no Congresso Nacional. Suas denúncias foram suficientes para que o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento parassem de financiar o asfaltamento da BR-364, rodovia que rasga a floresta no Acre. A lista dos que o odiavam aumentou.

Oligarquia
Em 1988, Chico já era jurado de morte e tinha escolta 24 horas por dia. Na noite de 22 de dezembro, contudo, os policiais militares incumbidos de não desgrudar os olhos dele jogavam dominó dentro da casa do seringalista e não puderam evitar o assassinato. "A oligarquia sabe que pode matar e que as autoridades não vão impedi-la ou puni-la, já que grande parte delas pertence à mesma classe, a classe dos grandes proprietários de terra", afirmou o senador Aluizio Bezerra (PMDB-AC).

A repercussão internacional foi forte e imediata. Sacudida pelas notícias publicadas no exterior, a imprensa nacional finalmente se deu conta do valor de Chico Mendes e correu para noticiar o assassinato e apresentar ao Brasil o drama dos seringueiros. "As autoridades brasileiras foram coagidas pelo clamor internacional a sair em busca dos assassinos", constatou o presidente do Senado, Nelson Carneiro (PMDB-RJ).

Uma das responsáveis por aproximar Chico das ONGs estrangeiras foi a antropóloga Mary Allegretti. Ela diz que Chico, sem querer, fez uma revolução no mundo. "Depois vieram a Eco 92, o Protocolo de Kyoto, o Acordo de Paris. O meio ambiente virou prioridade. O mundo passou a se preocupar de fato, criou tecnologias limpas, mudou hábitos de consumo. Pouca gente se dá conta, mas o mundo mudou drasticamente nestes 30 anos. Foi o assassinato de Chico Mendes que abriu caminho para todas essas mudanças".

Mais artigos...

  1. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  2. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  3. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  4. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  5. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  6. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  7. Em busca do trem perdido
  8. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  9. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  10. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  11. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  12. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  13. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  14. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  15. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  16. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  17. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  18. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  19. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  20. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  21. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  22. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  23. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  24. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  25. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  26. A água no Brasil: da abundância à escassez
  27. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  28. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  29. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  30. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  31. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  32. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  33. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  34. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  35. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  36. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  37. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  38. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  39. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  40. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  41. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  42. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  43. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  44. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  45. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  46. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  47. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  48. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  49. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  50. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  51. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  52. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  53. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  54. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  55. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  56. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  57. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  58. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  59. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  60. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  61. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  62. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  63. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  64. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  65. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  66. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  67. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  68. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  69. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  70. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  71. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  72. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  73. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  74. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  75. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  76. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  77. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  78. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  79. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  80. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  81. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  82. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  83. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  84. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  85. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  86. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  87. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  88. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  89. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  90. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  91. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  92. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  93. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  94. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  95. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  96. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  97. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  98. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  99. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  100. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171