Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros

Dentre os rituais e símbolos culturalizados pelo poder público com pouca consideração sobre suas origens, estão a capoeira, o samba e a festa do Senhor do Bonfim

Foto: Rosenilton S. de Oliveira

Presença de rituais e símbolos afros na celebração de uma missa na Basílica de Nossa Senhora Aparecida, Aparecida, SP, 2017.

Ivanir Ferreira/Jornal da USP

O poder público brasileiro participa de um processo de culturalização de símbolos e rituais religiosos de origem africana, sem dar a devida valorização às pessoas que os trouxeram e os produzem no País. O assunto foi uma das abordagens de uma pesquisa de antropologia, feita na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e na Ecole de Hautes Etudes en Sciences Sociales (EHESS- Paris).

Rosenilton da Silva de Oliveira, antropólogo e autor da pesquisa, cita como exemplos o samba e a capoeira que, na década de 30, foram reconhecidos e valorizados como música e esporte nacional, mas, por muito tempo, sambistas e capoeiristas sofreram discriminação e eram punidos perante a lei. Sobre as manifestações religiosas, outro exemplo mais recente foi a concessão do título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil aos festejos da Lavagem do Senhor do Bonfim, cortejo afro-religioso que acontece em Salvador, na Bahia, desde 1745.

Na cerimônia, fieis saem da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, no centro da cidade, e vão até a Colina Sagrada do Bonfim, a oito quilômetros de distância. Durante este ritual, as escadas e o átrio da igreja são lavados com água perfumada por mães-de-santo vestidas com trajes típicos de baiana.

Uma das versões da origem desta festa consta do mito de Oxalá (Deus) que, ao visitar o reino de Xangô (o rei), é confundido com um ladrão de cavalos e preso injustamente por sete anos. Depois de muitas intempéries no reino devido ao mal-entendido, Xangô, consternado diante de tamanho equívoco, dá ordem aos seus súditos para que fossem, vestidos de branco e em silêncio, buscar água para lavar Oxalufã (o Senhor do Bonfim).

Neste caso, lembra o pesquisador, que embora a festa do Senhor do Bonfim guarde estreita ligação com o contexto afro-religioso brasileiro, em 2014, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), ao inscrever o evento como patrimônio cultural imaterial do Brasil, o faz no escopo eminentemente de “festas religiosas católicas”. “Os aspectos religiosos africanos, mesmo reconhecidos, foram descritos como sendo ‘representativas de certa brasilidade’”, afirma o antropólogo.
Confirmando essa tese sobre o apagamento das origens afro-religiosas do evento, no dia em que foi oficializada a entrega do título, em 2013, receberam agraciamentos o governador do Estado da Bahia, o prefeito municipal, o arcebispo de Salvador e o juiz da Irmandade do Nosso Senhor do Bonfim e Nossa Senhora da Guia, mas nenhuma personalidade afro-religiosa foi lembrada.

A pesquisa também buscou compreender, para além das ações dos religiosos de matrizes africanas, a participação de lideranças católicas e evangélicas na promoção de políticas públicas voltadas para a população negra no Brasil. O pesquisador partiu do princípio de que no campo religioso os símbolos da herança africana no Brasil são articulados de modos distintos devido às diferenças teológicas que orientam as ações políticas e sociais dos fiéis.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 64% da população professa o catolicismo. Desses, 51% se autodeclaram pretos ou pardos. Entre os evangélicos, que somam 22% dos brasileiros, 54% são negros. As religiões de matrizes africanas continuam possuindo o maior número de fiéis: cerca de 70% dos adeptos.

Na Igreja Católica, desde a década de 1970, foram os agentes de pastoral negros e, posteriormente, a Pastoral Afro-brasileira, que se incumbiram das ações de combate ao racismo e da adoção de políticas e de respeito à diversidade racial e religiosa. Concomitantemente, surgiram as primeiras experiências de incorporação de elementos das religiões afro-brasileiros às celebrações católicas, afirma o pesquisador.

Por meio desses grupos, instrumentos como atabaques, indumentárias, tecidos coloridos, túnicas, danças e músicas que dialogam com o universo cultural e religioso afro foram introduzidos às liturgias das missas, batizados e casamentos. Os santos de origem africana e de pele negra também passaram a ter mais destaque da devoção dos fiéis, como foi o caso de São Benedito, de Santa Efigênia e de Nossa Senhora Aparecida.

Por sua vez, no contexto evangélico, “vimos surgir, no final do século 20, o Movimento Negro Evangélico”, reunindo fiéis de várias denominações evangélicas, sobretudo aquelas classificadas como “igrejas de missão” pelo IBGE, como batistas e metodistas. Diferentes dos católicos, os negros dessa matriz religiosa recorrem à literatura bíblica para encontrar personagens negros para destacá-los em suas liturgias.

Vale ressaltar que, no caso dessas igrejas, as ações voltadas para a população negra são sobretudo em combate ao racismo e em defesa dos direitos humanos. Apesar dessas inciativas, se observa que as neopentecostais ainda são hoje consideradas como um dos maiores expoentes de intolerância contra as religiões afro-brasileiras. O contexto religioso brasileiro é complexo e multifacetado, afirma o antropólogo.

Embora a pesquisa tenha verificado que existe dentro dos movimentos negros localizados nas igrejas evangélicas e católicas divergências sobre os significados atribuídos à identidade negra e o modo de lidar com os símbolos das heranças africanas no Brasil, paralelamente, houve, neste mesmo período, ações dialógicas que caminharam no combate ao racismo e na promoção do diálogo inter-religioso, do ecumenismo e dos direitos humanos, como o Núcleo de Diálogo Candomblé-Católico-Umbanda e algumas ações do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic).

Mais artigos...

  1. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  2. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  3. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  4. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  5. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  6. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  7. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  8. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  9. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  10. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  11. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  12. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  13. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  14. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  15. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  16. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  17. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  18. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  19. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  20. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  21. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  22. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  23. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  24. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  25. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  26. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  27. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  28. Junho deixou sementes de participação popular
  29. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  30. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  31. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  32. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  33. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  34. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  35. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  36. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  37. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  38. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  39. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  40. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  41. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  42. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  43. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  44. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  45. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  46. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  47. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  48. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  49. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  50. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  51. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  52. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  53. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  54. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  55. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  56. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  57. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  58. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  59. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  60. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  61. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  62. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  63. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  64. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  65. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  66. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  67. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  68. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  69. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  70. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  71. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  72. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  73. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  74. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  75. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  76. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  77. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  78. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  79. Os mano e as mina na mira dos homi
  80. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  81. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  82. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  83. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  84. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  85. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  86. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  87. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  88. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  89. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  90. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  91. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  92. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  93. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  94. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  95. São Paulo, uma metrópole para poucos
  96. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  97. Documento único estará disponível em julho
  98. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  99. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  100. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP