ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas

A saída de 8,5 mil profissionais cubanos do Programa Mais Médicos colocou o Brasil novamente diante da necessidade de resolver o problema do atendimento a locais que dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS)

imagem materia 02 19 12 2018 temporario

Imagens: Ana Volpe/OPAS

O programa foi criado para suprir a demanda por médicos em locais como periferias de cidades e comunidades isoladas.

Reportagem: Emilly Behnke, sob supervisão de Nelson Oliveira/
Ag. Senado/Especial CIdadania

Alguns deles, como comunidades indígenas isoladas da Região Norte, são ainda mais dependentes do segmento da atenção básica promovida pelo governo.

O acordo entre a Organização Panamericana de Saúde (Opas) com os governos de Cuba e do Brasil, que garantia o funcionamento do Mais Médicos, acabou em novembro diante das declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro, de que não aceitava a recusa dos cubanos em revalidar diplomas e a retenção, por parte de Cuba, da maior parte da remuneração dos médicos.

O primeiro edital para suprir as vagas do Mais Médicos teve 36.490 interessados e, como resultado inicial, a habilitação para 8.411 delas (98%). No entanto, até ontem 30% dos médicos habilitados não haviam se apresentado nos municípios escolhidos.

A Unidade Básica de Saúde da Família de Itabuna (BA) passou a contar com um novo médico em 26 de novembro. O município é conveniado ao programa desde 2013 e já havia recebido três médicos de Cuba. A administradora da unidade, Marcela Oliveira Falcão, informou que o funcionamento foi afetado pela ausência de médico entre 19 e 23 de novembro. Naquela semana, os doentes menos graves foram atendidos por enfermeiros e outros profissionais de saúde. Quem precisou de um médico foi encaminhado ao centro de referência da cidade.

novaetapa temporario— Foi uma semana difícil porque não esperávamos a saída do médico, mas conseguimos contornar, e a comunidade não ficou desassistida.

O não preenchimento de vagas decorre da preferência dos médicos por atuarem em centros urbanos. Não por acaso, 63 das 106 vagas ainda em branco estão em distritos sanitários especiais indígenas, principalmente em estados da Região Norte. É o caso do Amazonas, onde sobram 86 postos. Na área do Alto Solimões nenhuma das 22 vagas foi preenchida. No Alto Rio Negro restaram 11 postos. No Amapá e no Pará faltam 20 profissionais.

Edital
Até o momento, 2.476 médicos não compareceram ou não iniciaram suas atividades nos postos para os quais foram designados. Se o número for mantido, 2.582 vagas serão oferecidas no edital seguinte, para o qual já se inscreveram 10.205 médicos brasileiros e estrangeiros, conforme o Ministério da Saúde.

As inscrições foram finalizadas no domingo. Nas próximas quinta e sexta-feira os médicos brasileiros com registro em conselhos regionais de medicina (CRMs) terão nova chance de participar do programa para preencher vagas de desistentes. Quem não tiver registro poderá pleitear as vagas nos dias 27 e 28. Em seguida, nos dias 3 e 4 de janeiro, as oportunidades serão abertas para estrangeiros formados no exterior e sem registro no país.

Garantir que os médicos, especialmente os brasileiros, cumpram os três anos de contrato é um dos desafios do programa. Dados do Ministério da Saúde referentes ao período de 2013 a 2017 indicam que 54% dos brasileiros desistiram em até um ano e meio depois do ingresso. Já os estrangeiros permaneceram mais tempo. A maioria dos cubanos ficou mais de dois anos e meio.

Entre brasileiros e estrangeiros, a maior parte dos desistentes (58%) atuava em periferias de capitais e regiões metropolitanas e em áreas consideradas de extrema pobreza. Nesse último grupo de municípios, estava uma fatia significativa dos cubanos (35%, contra 25% dos brasileiros).

Saldo positivo
O relatório de avaliação do programa entre 2013 e 2017 feito pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aponta que o Brasil gastou cerca de R$ 13 bilhões com o Mais Médicos. Cerca de R$ 7 bilhões foram transferidos a Cuba, por meio da Opas. Em 2018, os gastos com o programa foram de R$ 3,3 bilhões — R$ 200 milhões a mais que no ano passado.

A relatora na CAS, senadora Lídice da Mata (PSB-BA), concluiu que o Programa Mais Médicos possibilitou melhor distribuição de profissionais em regiões carentes e distantes, no interior e na periferia, e maior cobertura de atenção básica e saúde da família, com mais consultas e procedimentos.

— É uma unanimidade entre os prefeitos brasileiros de todas as legendas partidárias. Porque até então os médicos não chegavam aos municípios. A população, os representantes e vereadores que vieram participar das audiências públicas só relataram aprovação.
A avaliação positiva se confirma na opinião da dona de casa Terezinha de Jesus Alves da Silva, moradora de Campos Belos (GO). Em novembro, ela se consultou com uma médica cubana por causa de uma dor de cabeça.

imagem materia 19 12 2018 temporario

Imagens: Ana Volpe/Opas

Criança indígena é examinada por médico em Mangueirinha (PR).

— Gostei demais. Estou tomando a medicação até hoje. Agora como é que vai ser?

Apesar dos avanços proporcionados pelo Mais Médicos, o senador e médico Eduardo Amorim (PSC-SE) aponta como desafio da saúde a criação de uma política pública de recursos humanos para o SUS, que esclareça questões sobre dedicação exclusiva, valor de salários e horas de trabalho dos médicos e demais profissionais da saúde. Com a ajuda estrangeira, disse, o programa não poderia ser uma solução definitiva para a saúde.

— O Estado teria que ter um detalhamento da formação deles antes de acolher — disse.

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, defende o aproveitamento de médicos que se formam por meio do Financiamento Estudantil (Fies) e a criação de um serviço civil obrigatório no país.

— Acredito que o próximo governo pensará em medidas, como nós pensamos, com relação aos profissionais que se formam pelo Fies e com relação ao serviço civil obrigatório, que também pode proporcionar a presença dos médicos em determinadas cidades — afirmou Occhi.

Mais artigos...

  1. Eram os deuses jornaleiros?
  2. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  3. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  4. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  5. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  6. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  7. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  8. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  9. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  10. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  11. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  12. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  13. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  14. Em busca do trem perdido
  15. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  16. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  17. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  18. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  19. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  20. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  21. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  22. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  23. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  24. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  25. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  26. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  27. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  28. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  29. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  30. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  31. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  32. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  33. A água no Brasil: da abundância à escassez
  34. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  35. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  36. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  37. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  38. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  39. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  40. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  41. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  42. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  43. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  44. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  45. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  46. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  47. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  48. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  49. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  50. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  51. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  52. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  53. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  54. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  55. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  56. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  57. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  58. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  59. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  60. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  61. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  62. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  63. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  64. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  65. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  66. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  67. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  68. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  69. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  70. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  71. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  72. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  73. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  74. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  75. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  76. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  77. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  78. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  79. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  80. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  81. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  82. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  83. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  84. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  85. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  86. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  87. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  88. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  89. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  90. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  91. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  92. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  93. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  94. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  95. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  96. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  97. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  98. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  99. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  100. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171