Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração

A prática regular de atividade física tem se firmado como uma importante forma de tratamento para a insuficiência cardíaca – doença caracterizada pela incapacidade do coração de bombear sangue adequadamente

Wikmedia Commons

Por meio de experimentos com ratos e células, grupo do ICB-USP mostrou que treinamento físico aeróbico reativa um sistema que ajuda a livrar as células cardíacas de mitocôndrias disfuncionais.

Karina Toledo/Agência FAPESP

Os benefícios vão desde prevenir a caquexia – perda severa de peso e massa muscular – até o controle da pressão arterial, a melhora da função cardíaca e o retardo do processo degenerativo que causa a morte progressiva das células do coração e leva à morte 70% dos afetados pela doença nos primeiros cinco anos.

Um estudo da Universidade de São Paulo (USP), publicado na revista Autophagy, ajuda a elucidar parte dos mecanismos pelos quais o exercício aeróbico protege o coração doente. ““Basicamente, o que descobrimos é que o treinamento aeróbico facilita a remoção de mitocôndrias disfuncionais nas células cardíacas”, contou Julio Cesar Batista Ferreira, professor do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB-USP) e coordenador do projeto.

As mitocôndrias são as organelas responsáveis por produzir energia para as células. “A remoção dessas organelas promove um aumento na oferta de ATP [adenosina trifosfato, molécula que armazena energia para a célula] e reduz a produção de moléculas tóxicas, como os radicais livres de oxigênio e os aldeídos reativos, que em excesso danificam as estruturas celulares”, acrescentou.

Segundo o pesquisador, o objetivo da pesquisa no longo prazo é identificar alvos intracelulares que podem ser modulados por meio de fármacos para promover pelo menos parte dos benefícios cardíacos obtidos com a atividade física.

1378 1 or 1470170671 temproario“Claro que não queremos criar a pílula do exercício, isso seria impossível, pois ele atua em muitos níveis e em todo o organismo. Mas talvez seja viável, por meio de um medicamento, mimetizar ou maximizar o efeito positivo da atividade física no coração”, comentou Ferreira. O trabalho de investigação vem sendo conduzido durante o mestrado e o doutorado de Juliane Cruz Campos, bolsista da FAPESP e orientanda de Ferreira.

Em uma pesquisa anterior, publicada na revista PLoS One, o grupo mostrou por meio de experimentos com ratos que o treinamento aeróbico reativa um complexo intracelular conhecido como proteassoma – principal responsável pela degradação de proteínas danificadas. Os resultados mostraram ainda que, no coração de portadores de insuficiência cardíaca, a atividade desse sistema de limpeza diminui mais de 50% e, consequentemente, proteínas altamente reativas começam a se acumular no citoplasma, interagindo com outras estruturas e causando a morte das células cardíacas.

No trabalho recém-publicado, que foi destaque na capa da revista, o grupo revelou que a atividade física também regula a atividade de outro mecanismo de limpeza celular conhecido como sistema de autofagia – cuja descoberta rendeu o Nobel de Medicina ao cientista japonês Yoshinori Ohsumi, em 2016.

20130617-175151 temproario“Em vez de degradar proteínas isoladas, esse sistema cria uma vesícula [autofagossomo] em volta de organelas disfuncionais e transporta todo esse material de uma só vez até uma espécie de incinerador, o lisossomo. Lá dentro, existem enzimas que destroem o lixo celular. No entanto, observamos que no coração de ratos com insuficiência cardíaca esse fluxo autofágico está interrompido, o que faz com que mitocôndrias disfuncionais comecem a se aglomerar”, explicou Ferreira.

De acordo com o pesquisador, a organela chega a se dividir, isolando a parte danificada para facilitar sua remoção. Isso foi possível constatar ao analisar a atividade de proteínas relacionadas com o processo de divisão mitocondrial. Porém, o sistema que deveria transportar o material rejeitado até o lisossomo não consegue completar a tarefa.

O modelo experimental usado foi o mesmo da pesquisa anterior, que consiste em amarrar uma das artérias coronárias do roedor para induzir um infarto no miocárdio. A falta de irrigação sanguínea causa a morte imediata de aproximadamente 30% das células cardíacas. Após um mês, o animal já apresenta sinais de insuficiência no órgão.

20170418164227072007900-1492522947-910864035 temproarioAo analisar o tecido do coração doente por meio de microscopia eletrônica, capaz de aumentar a imagem em até 3 mil vezes, os pesquisadores notaram que nas células havia uma grande quantidade de mitocôndrias de tamanho reduzido e aglomeradas – algo que não foi observado no coração de animais sadios. Essas organelas foram colocadas em um equipamento capaz de medir o consumo de oxigênio e, assim, avaliar o metabolismo mitocondrial. O teste confirmou que não estavam respirando como deveriam.

“As imagens mostravam que havia membranas tentando se formar em volta dessas pequenas mitocôndrias, mas o autofagossomo não chegava a envolver a organela de fato. Imaginamos então que elas estavam se acumulando porque o sistema de remoção não estava funcionado e, quando colocamos os animais para se exercitar, essas organelas disfuncionais desapareceram. O exercício restaurou o processo de remoção das mitocôndrias cardíacas disfuncionais. Os benefícios do exercício foram abolidos quando bloqueamos farmacologicamente ou geneticamente a autofagia”, contou Ferreira.

O treinamento dos animais teve início quatro semanas após a indução do infarto, quando eles já apresentavam sinais de insuficiência. Os roedores eram colocados em uma esteira para correr a uma intensidade considerada moderada (70% da capacidade máxima de corrida), durante 60 minutos, uma vez ao dia, cinco vezes por semana, por oito semanas. Ao final, os resultados eram comparados com o de animais com insuficiência que permaneceram sedentários pelo mesmo período e também com o de animais sadios (que não tiveram infarto induzido) e sedentários (controle).

osteoporose-e-exercicio-fisico-4-256 temproario“No animal doente que permaneceu sedentário, a função cardíaca ao longo das oito semanas caiu 30%, enquanto no grupo treinado ela aumentou 40% em relação à condição pré-treino. No fim, portanto, a diferença na função cardíaca nesses dois grupos foi de 70%”, contou Ferreira. Enquanto o coração dos ratos doentes sedentários estava em média 18% maior que o grupo-controle, o dos animais treinados aumentou apenas 5%.

“Vale lembrar que o exercício físico também induz um aumento no tamanho do coração, mas relacionado ao ganho de função. Já a dilatação causada pela insuficiência cardíaca está relacionada à perda de função no órgão”, disse o pesquisador. Já o nível de ATP dos animais doentes sedentários foi 50% menor que o do grupo-controle, enquanto nos animais treinados foi equivalente ao do coração saudável.
“Nossos resultados mostram, portanto, que a atividade física não só previne como também reverte os danos causados pela insuficiência cardíaca. Nossa hipótese é que o treinamento físico module a expressão e/ou atividade de uma ou mais proteínas-chave envolvidas no processo denominado “mitofagia”, a autofagia mitocondrial, restaurando então sua atividade. É o que agora estamos tentando descobrir”, comentou Ferreira. De acordo com o pesquisador, quando identificados, esses genes e as proteínas por eles codificadas poderiam ser testados como alvos terapêuticos.

Como explicou o professor do ICB-USP, descobrir o impacto de cada gene/proteína nas adaptações cardíacas decorrentes da atividade física em um organismo complexo como o de mamíferos seria uma tarefa exaustiva – virtualmente impossível. Por esse motivo, nos trabalhos em andamento, o grupo tem usado como modelo vermes da espécie Caenorhabditis elegans.

“São organismos menos complexos, mas cujo genoma se assemelha ao humano em até 90% para algumas famílias de proteínas. Além disso, já existem ferramentas, como a genômica funcional, que permitem avaliar em larga escala a contribuição de cada gene na resposta adaptativa perante condições adversas. A idéia é caracterizar o impacto funcional dos genes envolvidos nos processos de divisão mitocondrial e mitofagia nas adaptações decorrentes do exercício físico”, contou o pesquisador.

O desafio agora, disse Ferreira, é validar uma metodologia que permita colocar os vermes para treinar.

Mais artigos...

  1. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  2. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  3. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  4. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  5. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  6. Automedicação pode ter graves consequências
  7. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  8. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  9. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  10. O perfil dos corredores de rua amadores
  11. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  12. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  13. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  14. Dalva de Oliveira
  15. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  16. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  17. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  18. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
  19. Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas
  20. Ao completar 9 anos, Lei Seca não impede que motoristas dirijam alcoolizados
  21. COOs e CTOs: corram para as montanhas!
  22. Crianças com microcefalia têm atendimento especializado
  23. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  24. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  25. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  26. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  27. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  28. Lei cria documento único de identificação nacional
  29. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética
  30. Cidades costeiras são mais vulneráveis a mudanças do clima
  31. As empresas precisam “sair do armário”
  32. Eleitores jovens se afastam da democracia tradicional
  33. Brasil poderá ter evento nacional destinado à prevenção do suicídio
  34. Brasil reduz mortalidade materna, mas continua longe do ideal, diz especialista
  35. Consumo excessivo de álcool na balada expõe homens e mulheres a riscos diferentes
  36. Conheça as regras para adotar uma criança no Brasil
  37. Ciclovias em expansão influenciam mercado imobiliário de São Paulo
  38. Em dias de intolerância, pesquisadores destacam valor das mensagens de Gentileza
  39. O fim do carro próprio?
  40. Congresso avalia projetos para atender configurações familiares modernas
  41. BGE: 123 milhões de jovens com 15 anos ou mais não praticam esporte no Brasil
  42. Metabolismo lento: como identificar e reverter o problema que pode prejudicar a perda de peso
  43. Temer nega ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda
  44. Sinal verde para o emagrecimento: combine chá e café para turbinar a queima de gordura
  45. Tese revela luta das brasileiras por direitos civis e trabalhistas
  46. Estudo investiga como vida conjugal influencia carreira feminina
  47. Maio Amarelo quer reduzir acidentes e vítimas de trânsito
  48. Reposição de vitaminas na terceira idade: o que é fundamental para manter o vigor e garantir mais saúde?
  49. Dorival Caymmi, a pedra que ronca no meio do mar
  50. Em São Paulo, 97,8% dos idosos não conseguem atravessar a rua no tempo dos semáforos
  51. Direito do preso de trabalhar é realidade só para minoria
  52. 10 alimentos para aliviar os sintomas do estresse e da ansiedade
  53. Veja o que muda com a reforma trabalhista aprovada na Câmara
  54. Mulheres podem ter direito a escolher o alistamento militar
  55. Cardápio energizante: Como vencer o cansaço e a fraqueza causados pela má alimentação
  56. Um em cada dez estudantes no Brasil é vítima frequente de bullying
  57. Livros infantis ganham espaço no mercado brasileiro
  58. Pesquisas resgatam história genética de remanescentes de quilombos
  59. Gorduras do bem: Conheça os diferentes tipos de Ômega e saiba porque eles são itens obrigatórios no cardápio
  60. Direto da Amazônia, livro revela como a castanha-do-pará ganhou o mundo
  61. Modo de vida camponês ainda resiste entre pequenos agricultores
  62. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  63. Reforma trabalhista recebe 844 emendas; relatório deve ser apresentado na quarta-feira
  64. Proposta proíbe concurso público exclusivo para cadastro de reserva
  65. Há 40 anos, ditadura impunha Pacote de Abril e adiava abertura política
  66. Como a dívida pública afeta cada brasileiro
  67. Lanchinhos no trabalho: Quais substituições podem ajudar a evitar os deslizes da dieta
  68. Abelhas sem ferrão têm guardas especializadas para defender suas colmeias
  69. Discurso das novas dietas reforça padrões de beleza inalcançáveis
  70. Efeitos da seca acentuam de maneira permanente perda florestal na Amazônia
  71. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa
  72. Saúde e boa forma: aposte na dieta para eliminar a barriga e controlar a síndrome metabólica
  73. Brasil carece de legislação para reúso de água
  74. ONU: crise econômica emperra desenvolvimento humano no Brasil
  75. Livro revela o pouco conhecido Holocausto da Transnístria
  76. Lava Jato completa três anos de investigações com 260 acusados criminalmente
  77. Livro mostra as verdadeiras origens de Corinthians, Palmeiras e São Paulo
  78. Doença renal crônica leva mais de 120 mil brasileiros para hemodiálise
  79. Orçamento taxava dono de escravo e previa salário para Pedro II
  80. Desafiando o Império, há 200 anos Pernambuco criava primeira República do Brasil
  81. Reforma promete ensino médio mais atraente
  82. Maioria das mulheres no Brasil e no mundo prefere trabalhar a ficar em casa
  83. As mulheres e o direito ao esporte
  84. Onde se escondem as poucas onças-pintadas que sobraram
  85. Como apostar nas fibras para reduzir o inchaço e melhorar a saúde
  86. Construção de cisternas leva desenvolvimento à região do semiárido
  87. Bacalhau do Batata levou trabalhadores e foliões para as ruas de Olinda
  88. Novas regras para deportação geram apreensão entre imigrantes nos EUA
  89. Entra em vigor acordo global que pode gerar US$ 1 trilhão de comércio por ano
  90. Quando o carnaval questiona limites de sua própria liberdade
  91. Dieta e malhação: conheça os maiores erros antes e depois do treino e saiba como evitá-los
  92. Consumo de combustíveis no Brasil caiu 4,5% em 2016
  93. Brasil, um desperdiçador em dois mundos
  94. Polícia militarizada favorece manifestações como as do Espírito Santo, diz professor
  95. A explosão da economia compartilhada
  96. Não há nível de desmatamento seguro para o clima na Amazônia
  97. Nordeste entra no sexto ano do que pode ser a pior seca de sua história
  98. Crise do sistema de aposentadorias já preocupava dom Pedro II
  99. Estudo mapeia condições das favelas em São Paulo
  100. Guia alerta sobre consumo precoce de bebidas alcoólicas entre jovens