Contato: (11) 3043-4171

Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência

Um grupo da Faculdade de Medicina da USP publicou os resultados de uma pesquisa a respeito da associação entre o consumo de álcool e drogas com a ocorrência de mortes violentas

9g7cr9yufi 6em temporario

Foto: Thinkstock

Consumo de álcool ou de pelo menos um tipo de droga esteve associado a mais da metade das mortes violentas ocorridas na cidade de São Paulo no período analisado.

Peter Moon/Agência FAPESP

O trabalho coloca em números os dados dessa relação, no caso, na cidade de São Paulo. A descoberta é que o consumo de álcool ou de pelo menos um tipo de droga guarda associação com mais da metade (55%) das mortes violentas ocorridas na capital paulista entre 2014 e 2015.

O trabalho é resultado do pós-doutorado do epidemiologista Gabriel Andreuccetti, com a supervisão do professor Heráclito Barbosa de Carvalho. Para obter dados para o levantamento, Andreuccetti empregou um método de amostragem probabilística usando a cidade de São Paulo como população-alvo. “Os casos amostrados eram vítimas adultas, feridas fatalmente, que tiveram causa de morte súbita, inesperada, violenta ou de outra forma não natural, e que deram entrada nas principais instalações médicas forenses que atendem toda a cidade e seus 96 distritos”, disse.

Segundo a legislação, as vítimas de morte súbita, inesperada ou violenta devem obrigatoriamente ser submetidas a um procedimento de autópsia pelas equipes de perícias médico-legais (EPML). Anualmente, ocorrem em São Paulo cerca de 7 mil mortes que se enquadram nessa classificação. A maioria é composta por homicídios (26%), seguida pelos óbitos relacionados ao trânsito (20%) e por suicídios (10%). O trabalho de levantamento de casos de mortes violentas ocorreu entre junho de 2014 e dezembro de 2015.

Para obter uma amostra representativa da cidade, Andreuccetti coletou amostras de sangue de cadáveres durante autópsias pelas diversas EPML da cidade, em diferentes dias e horários da semana, ao longo de 19 meses. Vítimas que receberam seis ou mais horas de tratamento médico devido ao evento de lesão ou que sobreviveram pelo mesmo período antes da morte foram excluídas da amostra.

“Há um grande número de casos de pessoas que deram entrada no hospital e vão parar no IML. Em muitos destes casos, a lesão fatal ocorreu de forma violenta ou súbita, sendo que a vítima pode ter estado sob efeito de drogas no momento do acidente, crime ou suicídio. Mas, devido à internação por mais de seis horas, os vestígios de álcool e drogas no sangue podem sofrer influência após o evento traumático. Esses casos foram excluídos do levantamento”, disse Andreuccetti.

aae50f66416f588e661b3981059ebc48 temporario

Foto: Mundo Educação

“Há um grande número de casos de pessoas que deram entrada no hospital e vão parar no IML. Em muitos destes casos, a lesão fatal ocorreu de forma violenta ou súbita, sendo que a vítima pode ter estado sob efeito de drogas no momento do acidente, crime ou suicídio”.

O resultado final do levantamento chegou a uma amostra com 365 mortes, todas violentas, súbitas ou inesperadas, que deram entrada no IML. A amostra reuniu 104 homicídios (28,5% do total), 56 vítimas de acidentes de trânsito (ou 15,3%), 44 suicídios (12,1%), 26 quedas (7,1%) e 21 casos de envenenamento ou intoxicação (5,8%). Em 114 casos (31,2%), a morte súbita ou violenta ocorreu de formas que não as anteriores.

“Devido a diversas ações governamentais no começo da década (2010), a mortalidade no trânsito paulistano caiu consideravelmente, junto com a mortalidade por homicídios que vem caindo desde a década passada. Hoje a taxa de mortes por homicídios é maior do que no trânsito. Mas São Paulo é um caso atípico. No Brasil como um todo, essas flutuações foram bem menores, e continua-se morrendo muito por essas duas causas”, disse Andreuccetti.

Homens e jovens
Uma vez estabelecidas as situações onde ocorreram as mortes, o passo seguinte foi identificar quais apresentavam vestígios de álcool ou de drogas no sangue. Para tanto, amostras de sangue de todas as vítimas foram submetidas a uma triagem abrangente dos casos positivos para uma variedade de medicamentos, drogas ilícitas e álcool.

Foram verificadas a concentração de álcool no sangue (via cromatografia gasosa), bem como a presença de outras drogas, incluindo anfetaminas, sedativos (calmantes) e ansiolíticos (barbitúricos e benzodiazepínicos), maconha, cocaína, opioides (metadona, morfina, heroína) e pó de anjo (fenciclidina). A presença de drogas no sangue foi detectada por meio do ensaio de imunoabsorção enzimática (ELISA), posteriormente confirmada por espectrometria de massa.

Das 365 vítimas, 202 (55,3%) haviam ingerido álcool antes de morrer, ou estavam sob efeito de drogas no momento do falecimento, sendo que 63 só ingeriram álcool, 92 só usaram drogas e 47 fizeram as duas coisas. “De cada duas vítimas, uma apresentava resquícios de álcool e/ou drogas no sangue. Isso significa que mais da metade das vítimas fez uso de álcool ou drogas imediatamente antes de morrer”, disse Andreuccetti.

136662-suicidio-e-o-uso-de-drogas-entenda-essa-relacao temporario

Foto: blog.viversemdroga.com.br

Foram verificadas a concentração de álcool no sangue (via cromatografia gasosa), bem como a presença de outras drogas, incluindo anfetaminas, sedativos (calmantes) e ansiolíticos (barbitúricos e benzodiazepínicos), maconha,
cocaína, opioides (metadona, morfina, heroína) e pó de anjo (fenciclidina).

O álcool foi a substância mais prevalente entre as vítimas que fizeram uso de qualquer tipo de substância psicoativa, seguido pela cocaína, maconha e os calmantes e ansiolíticos. Mais especificamente, entre as 202 vítimas positivas para álcool e/ou drogas, 30,1% ingeriram álcool, 21,9% cocaína, 14% maconha e 11,5% benzodiazepínicos. 16,2% usaram álcool e qualquer uma dessas drogas.

“Não esperávamos prevalência tão elevada de drogas na amostragem. De cada cinco vítimas que usaram drogas, quatro usaram cocaína ou maconha. É um dado preocupante”, disse Andreuccetti. No caso das vítimas de acidentes de trânsito, quase metade (42,9%) tinha traços de álcool no sangue e uma em cinco (21,4%) estava sob efeito de uma ou mais substâncias. “Isso mostra que as drogas influenciam mais a violência interpessoal e o álcool os acidentes de trânsito”, disse Andreuccetti.

Com relação aos homicídios, em nada menos que 59,6% das mortes foi acusada a presença de alguma substância psicoativa ou álcool no sangue, sendo que 16,3% usaram álcool e cocaína juntos. No que tange aos casos de suicídio, o álcool teve a menor representação de toda a amostragem. Apenas 9,1% do suicidas haviam ingerido álcool. Por outro lado, foi nesse grupo que o uso de benzodiazepínicos se revelou um dos mais prevalentes. Um em cada cinco estava sob efeito desses medicamentos (18,2%).

Do total de 202 mortes positivas para o uso de álcool ou drogas, havia nove homens para cada mulher. E cerca de uma em cada três vítimas tinha menos de 30 anos. “É nessa faixa que se concentra o maior número de vítimas de homicídio no Brasil. E foi nessa faixa etária que se verificou uma maior prevalência do uso de outras drogas, em combinação ou não com o álcool”, disse Andreuccetti.
A participação étnica se mostrou similar: metade dos mortos era branco (50,3%) e a outra metade composta por indivíduos de outra etnia (pardos, negros, etc.) (49,7%). 60,5% das mortes ocorreram no período das 6 da tarde às 6 da manhã. Morre-se de forma violenta mais à noite do que de dia na cidade de São Paulo.

Histórico criminal
Um dado revelador é que, das 365 mortes, 15,9% das vítimas tinham algum histórico criminal. Entre esses, o uso de outras drogas além do álcool e o uso múltiplo de substâncias foram maiores do que entre as vítimas que não possuíam histórico criminal. Sempre que possível, Andreuccetti tentou quantificar as vítimas segundo o local de ocorrência da lesão fatal. Isso foi feito verificando-se a região da cidade onde o evento da lesão ocorreu.

Assim sendo, inferiu-se que a maioria das mortes por violência quando sob a influência de drogas ocorre no centro e na periferia, ou seja, onde se concentram os maiores centros de comércio e a população de baixa renda, respectivamente. “Isso sugere que há um componente socioeconômico, mas para sabermos mais seria necessário realizar um estudo específico. Por outro lado, o uso de álcool associado a essas mortes parece estar mais disseminado por toda a cidade de São Paulo”, disse Andreuccetti.

De acordo com o epidemiologista, conhecer essas estatísticas é um passo importante para tentar começar a reduzir os números de mortes violentas relacionadas ao consumo de álcool e drogas na cidade de São Paulo e em outras grandes cidades do país.

"Todas essas mortes causam um prejuízo enorme à sociedade em termos de serviços hospitalares e socorro de emergência, sem falar na dor para os familiares e no significado da perda pela violência de uma pessoa que poderia continuar trabalhando, estudando e produzindo”, disse.

Mais artigos...

  1. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  2. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  3. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  4. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  5. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  6. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  7. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  8. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  9. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  10. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  11. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  12. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  13. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  14. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  15. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  16. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  17. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  18. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  19. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  20. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  21. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  22. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  23. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  24. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  25. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  26. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  27. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  28. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  29. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  30. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  31. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  32. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  33. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  34. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  35. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  36. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  37. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  38. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  39. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  40. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  41. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  42. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  43. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  44. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  45. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  46. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  47. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  48. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  49. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  50. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  51. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  52. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  53. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  54. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  55. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  56. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  57. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  58. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  59. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  60. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  61. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  62. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  63. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  64. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  65. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  66. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  67. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  68. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  69. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  70. Junho deixou sementes de participação popular
  71. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  72. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  73. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  74. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  75. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  76. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  77. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  78. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  79. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  80. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  81. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  82. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  83. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  84. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  85. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  86. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  87. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  88. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  89. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  90. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  91. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  92. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  93. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  94. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  95. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  96. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  97. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  98. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  99. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  100. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171