Patriotismo, um desafio

Depois de uma verdadeira odisseia que durou mais de cinco meses, de discussões, debates, xingações e mentiras, a presidente Dilma, foi afastada. Um absurdo!

Por que tanta burocracia? Afinal, contra fatos não há argumentos, exceto quando amparados pela nossa medíocre legislação política. O direito de defesa é soberano, mesmo quando ela é ridícula! Como em direito tudo é uma mera questão de interpretação, ela é válida e temos que aturar esse festival de acusações.

Se o STF, que é composto por indicações do executivo, aceitou que o processo fosse, como foi, discutido e votado pelas duas casas do legislativo, não tem cabimento Dilma alegar que estava sendo vítima de um “golpe”! Acho até, que ela deveria ter sido advertida por usar essa expressão que deixar transparecer uma bagunça no seu julgamento.

Se ela não tivesse extrapolado na gastança publicitária, diga-se de passagem, mentirosa, portanto indutiva; no exagero das concessões para ao sofrido povão, que foi ludibriado em sua boa fé, não estaríamos nessa desastrosa situação. Portanto, errou, mentiu e cometeu as tais “pedaladas”, para se reeleger, tudo numa demonstração de irresponsabilidade, que ela alega não ser crime.

Temer assumiu, nomeou seus novos ministros e fez um discurso conclamando os três poderes e a sociedade à uma união de esforços, para sairmos da atual situação, para voltarmos a crescer e com isso reduzirem o desemprego, mas esqueceu de conclamar as lideranças ao exercício do Patriotismo, do qual estamos tão carentes.

Desejamos sucesso em sua gestão.

(*) - É Jornalista – MTb 21.275 (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.).