Pior que sinuca de bico

Gente, que situação complicada e preocupante é está que estamos vivendo! Estamos diante de uma autêntica “sinuca de bico”, que nem Rui Chapéu ou Carne Frita”, exímios e invencíveis jogadores de sinuca, seriam capazes de sair dela, numa jogada decisiva

Michel Temer, num apelo lacônico pediu o apoio de toda sociedade, empresariado em especial aos parlamentares para tentar reverter a situação e evitar o agravamento da atual crise, política e econômica. Meu xará, presidente da câmara federal, numa atitude de rebeldia à decisão partidária do PMDB, que apoia o governo, tem tomado decisões que levam até alguns parlamentares do PT e da chamada “base” a votarem contra os interesses de Dilma.
No horário político “obrigatório” da última quinta-feira, Lula se manifestou afirmando que quem (ele) já superou outras crises tem mais condição de superar mais está e Dilma, de “nariz empinado” afirmou que vai sair dessa numa boa, esquecendo que a causa do atual “status quo”, a corrupção, continuam sendo investigada com reflexos imprevisíveis.
Está circulando nas redes sociais a convocação de mais um manifesto da sociedade, para dia 16, pedindo o “impeachment” da presidente, presumivelmente sem considerar quem deverá substituí-la. Seria Temer e, no impedimento dele, Eduardo Cunha, o que seria mais ou menos como trocar seis por meia dúzia, já que segundo os experts nenhum deles reúne reais condições de exercer a presidência da república em alto nível, na atual conjuntura, a despeito do predomínio peemedebista.
O PSDB propõe nova eleição, na expectativa de vence-la. Entretanto, não sei se seria a melhor opção... Em contra partida o PT, nos bastidores, está convocando a militância para também se manifestar veementemente contra o “impeachment” apoiando a doutrina petista que prega um governo popular. A verdade é que a crise existe e politicamente pode se agravar se não houver compreensão, tolerância e colaboração de todos, no sentido de encontrarem uma solução compatível com os nossos princípios de coerência e bom senso.
Talvez seja mais apropriado, para evitar um eventual colapso no atual contexto, manter Dilma no governo, mediante condições a serem exigidas pelo congresso, para que ponham um fim na demagogia petista, nas propostas absurdas, nos procedimentos tendenciosos e indutivos, na publicidade enganosa e tudo mais que possa continuar ludibriando a boa fé do “povão”.
Oxalá sejam descartadas as falsas paixões político partidárias e prevaleça o PATRIOTISMO, do qual nossos homens públicos têm estado tão carentes.

(*) É Jornalista – MTb 231.275 (www.emquestao.com) ou (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.).