“Teto”, uma medida paliativa

Até recentemente a solução para recuperar a economia nacional, era a volta da CPMF, agora a solução é um “teto” para as despesas do governo, que vai justificar a não realização de obras e providências até emergenciais, por ultrapassar o limite do teto!

Quanto custa (%) a folha de pagamentos do pessoal dos três poderes do governo federal? Quando o governo tiver coragem de divulgar esse percentual, com base na atual conjuntura, vai mudar a opinião de muita gente.

Como os valores desse percentual são “imexíveis”, devido ao nefasto “direito adquirido”, se a receita cair, o que é imprevisível, o valor do percentual aumenta e o “teto” fica estrangulado, mormente se ele também for implantado em percentual sobre a receita.

A propósito desse impasse, em vista da necessidade de reduzir as despesas do governo, eu me permito mais uma vez apelar para o Patriotismo, do qual continuamos tão carentes!

Por que as ilustres figuras do primeiro escalão dos três poderes, não abrem mão das “regalias” incorporadas aos seus salários e dos reajustes prometidos pelo governo Dilma.

Por outro lado, os benefícios dos aposentados e pensionistas da previdência, continuam marginalizados no atual contexto, não lhes dando sequer o direito de fazer greve para contestar... Salvo se for greve de fome em praça pública!

Querem mexer também na previdência para evitar que o “rombo” aludido continue crescendo. Entretanto, cabe uma indagação, as providencias serão só para aposentados oriundos da iniciativa privada ou também para os funcionários admitidos via CLT?

Gente, a falta de dinheiro é preocupante em todo lugar, mas supri-la no “vapt vupt”, não é uma boa alternativa.

Enxugar a máquina é imperioso mas não cerceando os direito de que mais precisa! O “povão” está exausto de tanta postergação!

(*) - É Jornalista – MTb 21.275 - (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.).