Mercado de trabalho sinaliza evolução favorável no curto prazo

Indicador antecedente de emprego indica tendência favorável.

O mercado de trabalho continua avançando e sinalizando evolução favorável no curto prazo

A constatação é do Ibre da FGV, que divulgou ontem (7) o Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp). O indicador subiu 1 ponto de outubro para novembro, chegando a 103,9 pontos, o maior nível da série iniciada em junho de 2008. “Esta é a terceira alta consecutiva do indicador e sinaliza continuidade da tendência de evolução favorável do mercado de trabalho no curto prazo”, segundo a publicação.
Para o economista do Ibre/FGV, Fernando de Holanda Barbosa, “a elevação do Indicador Antecedente de Emprego, em novembro, vem na linha da expectativa de melhora do crescimento da economia brasileira em 2018”. De acordo com Barbosa, o crescimento ainda é fraco em 2017, “mas as expectativas para 2018 são positivas”.
O levantamento da FGV indica que, após duas quedas consecutivas, o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) avançou em outubro, variando 1,5 ponto, para 98,6 pontos. O economista da FGV lembra que o indicador ficou relativamente estável ao longo dos últimos meses e que os consumidores ainda enfrentam um mercado de trabalho bastante complicado.
“O nível elevado do índice [de desemprego] mostra que os consumidores ainda enfrentam um mercado de trabalho bastante complicado. Apesar da melhora, deve-se esperar uma taxa de desemprego ainda elevada nos próximos meses”, disse Barbosa. Segundo a publicação da FGV, o avanço do Indicador Antecedente de Emprego em novembro ocorreu em três dos sete indicadores que o compõem, com destaque para os que medem o ímpeto de contratações nos três meses seguintes (ABr).

Petrobras recebe mais R$ 654 milhões da Lava Jato

O dinheiro foi recuperado por meio de acordos de colaboração.

A Petrobras já recebeu, desde o início da Operação Lava Jato, R$ 1,476 bilhão desviados da companhia no esquema de pagamento de propina desvendado pelo Ministério Público do Paraná e pela Polícia Federal.
Desde total, cerca de R$ 654 milhões foi devolvido ontem (7) aos cofres da companhia. O dinheiro foi recuperado por meio de acordos de colaboração celebrados com pessoas físicas e jurídicas no âmbito da Operação Lava Jato.
A devolução aconteceu durante evento realizado em Curitiba, base central da operação, com a presença do presidente da estatal, Pedro Parente. Segundo nota divulgada pela Petrobras, a empresa“vem trabalhando em parceria com o MPF, a PF, a Receita e demais autoridades desde o início das investigações, ao mesmo tempo em que aprimorou seus mecanismos de controle e tomada de decisões”.
Na avaliação da estatal, a companhia, “que é reconhecida pelas autoridades como vítima dos atos desvendados pela Lava Jato, seguirá adotando medidas jurídicas contra empresas e pessoas, inclusive ex-funcionários e políticos, que causaram danos financeiros e à imagem da companhia”. A nota conclui afirmando que a Petrobras atua como coautora com o MPF e a União em 13 ações de improbidade administrativa em andamento, além de ser assistente de acusação em 43 ações penais (ABr).

BNDES pode se desfazer de 10% de participações

Rio - O BNDES deve se desfazer de, pelo menos, 10% das participações que possui em grandes grupos privados. O dinheiro será usado para comprar novas posições, em renda fixa ou variável, em pequenas e médias empresas que têm foco em inovação. O presidente do banco, Paulo Rabello de Castro, estimou em R$ 60 bilhões o total de participações em grandes empresas. Ressaltou, porém, que o valor varia de acordo com o preço diário das ações
Segundo o executivo, a transferência do dinheiro das empresas de maior para as de menor porte com viés tecnológico condiz com a atual estratégia do banco. A mudança será gradual, começando com pelo menos 10%, mas podendo alcançar o total das participações. “O céu é o limite”, afirmou, após evento promovido pelo Ipea. Entre os grandes grupos privados dos quais o banco deve sair está o frigorífico JBS, citado nas delações da Operação Lava Jato (AE).

Bitcoin continua escalada recorde e ultrapassa US$ 15 mil

Bitcoin continua escalada recorde e ultrapassa US$ 15 mil.

A valorização da criptomoeda Bitcoin não para de avançar e, ontem (7), ela ultrapassou a barreira recorde dos US$ 15 mil, informou a Coindesk. Para se ter uma ideia, o valor está US$ 2 mil acima do recorde registrado na quarta-feira (6). Segundo as informações oficiais, a moeda virtual teve uma valorização de quase 15% em apenas 24 horas, elevando para 50% a alta apenas em um mês.
Desde o início do ano, a valorização já ultrapassa os 1300%. Para se ter ideia, a criptomoeda era negociada por cerca de US$ em janeiro. O novo recorde chegou no dia em que a ASX, a Bolsa de Valores de Sydney, na Austrália, anunciou que iniciará a usar o “blockchain”, a tecnologia que torna possível as transações envolvendo Bitcoins.
A alta valorização tem como um de seus principais pontos o anúncio dos principais mercados dos Estados Unidos, CBOE e CME, do início ainda em dezembro das vendas futuras com a criptomoeda. Há ainda rumores no mercado de que a Nasdaq está avaliando oferecer ações futuras em Bitcoin já no ano que vem (ANSA).

Inadimplência do consumidor caiu em novembro

A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016, o indicador caiu 11,2%, acumulando no ano retração de 3,3% frente ao mesmo período do ano anterior.
A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016, o indicador caiu 11,2%, acumulando no ano retração de 3,3% frente ao mesmo período do ano anterior (SCPC).

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Mais artigos...

  1. Economia 07/12/2017
  2. Economia 06/12/2017
  3. Economia 05/12/2017
  4. Economia 02 a 04/12/2017
  5. Economia 01/12/2017
  6. Economia 30/11/2017
  7. Economia 29/11/2017
  8. Economia 28/11/2017
  9. Economia 24/11/2017
  10. Economia 23/11/2017
  11. Economia 22/11/2017
  12. Economia 18 a 21/11/2017
  13. Economia 17/11/2017
  14. Economia 15 e 16/11/2017
  15. Economia 14/11/2017
  16. Economia 11/11/2017
  17. Economia 10/11/2017
  18. Economia 09/11/2017
  19. Economia 08/11/2017
  20. Economia 07/11/2017
  21. Economia 02 a 06/11/2017
  22. Economia 01/11/2017
  23. Economia 31/10/2017
  24. Economia 28 a 30/10/2017
  25. Economia 27/10/2017
  26. Economia 26/10/2017
  27. Economia 25/10/2017
  28. Economia 24/10/2017
  29. Economia 21 a 23/10/2017
  30. Economia 20/10/2017
  31. Economia 19/10/2017
  32. Economia 18/10/2017
  33. Economia 17/10/2017
  34. Economia 12 a 16/10/2017
  35. Economia 11/10/2017
  36. Economia 10/10/2017
  37. Economia 07 a 09/10/2017
  38. Economia 06/10/2017
  39. Economia 05/10/2017
  40. Economia 04/10/2017
  41. Economia 03/10/2017
  42. Economia 30/09 a 02/10/2017
  43. Economia 29/09/2017
  44. Economia 28/09/2017
  45. Economia 27/09/2017
  46. Economia 26/09/2017
  47. Economia 23 a 25/09/2017
  48. Economia 22/09/2017
  49. Economia 21/09/2017
  50. Economia 20/09/2017
  51. Economia 19/09/2017
  52. Economia 16 a 18/09/2017
  53. Economia 15/09/2017
  54. Economia 14/09/2017
  55. Economia 13/09/2017
  56. Economia 12/09/2017
  57. Economia 07 a 11/09/2017
  58. Economia 06/09/2017
  59. Economia 05/09/2017
  60. Economia 02 a 04/09/2017
  61. Economia 01/09/2017
  62. Economia 31/08/2017
  63. Economia 30/08/2017
  64. Economia 29/08/2017
  65. Economia 26 a 28/08/2017
  66. Economia 25/08/2017
  67. Economia 24/08/2017
  68. Economia 23/08/2017
  69. Economia 22/08/2017
  70. Economia 19 a 21/08/2017
  71. Economia 18/08/2017
  72. Economia 17/08/2017
  73. Economia 16/08/2017
  74. Economia 15/08/2017
  75. Economia 12 a 14/08/2017
  76. Economia 11/08/2017
  77. Economia 10/08/2017
  78. Economia 09/08/2017
  79. Economia 05 a 07/08/2017
  80. Economia 08/08/2017
  81. Economia 04/08/2017
  82. Economia 03/08/2017
  83. Economia 02/08/2017
  84. Economia 01/08/2017
  85. Economia 29 a 31/07/2017
  86. Economia 28/07/2017
  87. Economia 27/07/2017
  88. Economia 26/07/2017
  89. Economia 25/07/2017
  90. Economia 22 a 24/07/2017
  91. Economia 21/07/2017
  92. Economia 20/07/2017
  93. Economia 19/07/2017
  94. Economia 18/07/2017
  95. Economia 15 a 17/07/2017
  96. Economia 14/07/2017
  97. Economia 13/07/2017
  98. Economia 12/07/2017
  99. Economia 11/07/2017
  100. Economia 08 a 10/07/2017
Mais Lidas