Governo prepara MP com regras para intervenção na Oi

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

O governo está preparando uma medida provisória com regras para fazer a intervenção da empresa Oi, caso seja necessária

A afirmação é do ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab. Segundo ele, o governo não quer fazer intervenção e espera que haja uma solução de mercado para a empresa, que está em recuperação judicial.
“O governo está preparado para fazer intervenção, caso seja necessário, porque é uma obrigação”, disse Kassab ao sair do Ministério da Fazenda, após reunião com o ministro Henrique Meirelles, ontem (27) em Brasília, para avaliar o cenário econômico e o orçamento. “O governo não pode colocar recursos, por convicção e porque não tem. A ideia da MP é fechar o arcabouço jurídico que arredonda a intervenção. A Anatel está desde já preparada para fazer uma intervenção. Temos 2 mil municípios onde a Oi opera exclusivamente. Então, veja a responsabilidade do governo para que esses municípios não fiquem desamparados”, acrescentou.
Kassab acrescentou que a medida provisória deve ser publicada nos próximos dias. O ministro explicou que se a empresa não conseguir a recuperação, o governo compulsoriamente precisa intervir. O Grupo Oi, que detém o maior número de clientes de telefonia fixa do país, entrou com pedido de recuperação judicial em junho de 2016. A Oi acumulou R$ 65,4 bilhões em dívidas. Entre os credores da Oi figura a Anatel, a quem o grupo deve R$ 20,2 bilhões em multas e pendências tributárias (ABr).

Mercado financeiro reduz projeção para a inflação

Para o mercado financeiro, a taxa Selic encerrará 2017 em 9% ao ano.

O mercado financeiro reduziu, pela terceira vez consecutiva, a projeção para a inflação este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,15% para 4,12%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação elaborada todas as semanas pelo Banco Central (BC), e divulgada às segundas-feiras.
A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta, que é 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a projeção segue em 4,5%. A previsão de instituições financeiras para o crescimento do PIB este ano foi ajustada de 0,48% para 0,47%. Para o próximo ano, a estimativa foi mantida em 2,5%. Para o mercado financeiro, a taxa Selic encerrará 2017 em 9% ao ano. Para o final de 2018, a expectativa permanece em 8,50% ao ano. Atualmente, a Selic está em 12,25% ao ano.
Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação (ABr).

Parente é reconduzido para mandato de dois anos na Petrobras

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou a recondução do presidente da estatal, Pedro Pullen Parente, para um mandato de dois anos no cargo. A recondução foi comunicada pela empresa ao mercado ontem (27).
Parente assumiu a presidência da companhia em 31 de maio do ano passado, em continuidade ao mandato do presidente anterior, Aldemir Bendine e agora, com a recondução, iniciará mandato de dois anos.
De acordo com o comunicado, a Petrobras assegura que o processo de recondução “seguiu as regras da Política de Indicação dos Membros do Conselho Fiscal, Conselho de Administração e Diretoria Executiva da Petrobras, tendo sido renovadas as análises de integridade e do cumprimento dos demais requisitos da posição.
O Comitê de Indicação, Remuneração e Sucessão do Conselho de Administração da Petrobras “avaliou toda a documentação pertinente e recomendou a aprovação do novo mandato ao Conselho de Administração da Companhia” (ABr).