Safra 2016/17 de grãos deve chegar a 213 milhões de toneladas

A produção do milho primeira safra deverá alcançar 27,7 milhões de toneladas.

A estimativa da produção de grãos para 2016/17 é de 213,1 milhões de toneladas, com um crescimento de 14,2% ou 26,5 milhões de t em relação à safra anterior, de 186,6 milhões

Os dados são do 3º Levantamento da safra 2016/2017, divulgado ontem (8) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).
A área total plantada também será ampliada, podendo chegar a 59,2 milhões de hectares, o que representa um crescimento de 1,4% ou 827 mil ha, se comparada com a safra passada. O algodão e o arroz foram exceções na ampliação, devido a substituição pelo cultivo de soja, caso de Mato Grosso. No entanto, as demais culturas de primeira safra tiveram incremento de área.
A produção do milho primeira safra deverá alcançar 27,7 milhões de toneladas, com um aumento de 7,3% em relação aos dados de 2015/16. Já o arroz registra uma produção de 11,5 milhões de toneladas, superior portanto à safra passada em 8,5%, enquanto que o feijão primeira safra pode obter 1,28 milhão de toneladas, 24,1% acima da última safra. Para a soja, a projeção é de crescimento de 7,3% na produção, podendo atingir 102,45 milhões de toneladas. O algodão plumadeve crescer 9,7% e chegar a 1,41 milhão de toneladas, apesar de uma redução de 5,5% na área cultivada.
Safra de inverno 2016 – A produção em destaque é a do trigo, que deve crescer 21% acima dos números de 2015 e atingir 6,7 milhões de toneladas. A cevada deve ter uma leve redução de área, mas a produção será de 374,8 mil toneladas, com a recuperação da produtividade. Já a canola e o triticale também apresentam aumento de área e produtividade, com a primeira produzindo 71,9 mil toneladas e o segundo, 68,1 mil toneladas (Conab) (ABr).

Brasil exportou 30,7 milhões de sacas de café

127 países importaram o café brasileiro neste ano.

O ‘Relatório mensal novembro 2016’, do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil – CeCafé, destaca, entre outras análises, que o total dos Cafés do Brasil exportados no período de janeiro até novembro de 2016 atingiu 30.769.180 sacas de 60kg, com receita de US$ 4,8 bilhões. A soma dos últimos 12 meses (dez/2015 a nov/2016) registrou 34.019.172 sacas, com total de receita de US$ 5,3 bilhões. Em novembro, as exportações de café brasileiro somaram 3.071.554 sacas.
O CeCafé aponta que 127 países importaram o café brasileiro neste ano (de janeiro a novembro). Os cinco principais destinos do café exportado pelo Brasil nesse período, por ordem decrescente em termos de quantidade, foram: Estados Unidos, com 5.805.870 sacas, Alemanha (5.596.361), Itália (2.658.381), Japão (2.227.323) e Bélgica (1.856.960).
Segundo o CeCafé, em comparação com o mesmo período de 2015, houve uma queda de 12,2%, devido à redução dos embarques de café conilon e a impactos da greve alfandegária no Porto de Santos, que comprometeu o processamento de certificados de exportação (Embrapa).

Investimentos no Brasil têm queda

Os investimentos no Brasil registraram queda de 2,6% em outubro, na comparação com setembro, com ajuste sazonal, revela o indicador Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), do Ipea, divulgado ontem (8). Para a área técnica do governo, o novo recuo indica continuidade do quadro recessivo no quarto trimestre de 2016 e, caso o indicador apresente crescimento nulo em novembro e dezembro, encerrará o último trimestre do ano com contração de 4,8% em relação ao trimestre anterior, com o efeito sazonal.
Na comparação com outubro de 2015, o indicador caiu 13,6%. O Ipea informou, também, que os principais componentes do indicador apresentaram desempenho ruim em outubro. O consumo aparente de máquinas e equipamentos (Came), que estima os investimentos em máquinas e equipamentos correspondentes à produção industrial doméstica, acrescida das importações e diminuída das exportações, apresentou recuo de 1,5%.