Conab: diminui a produção de cana-de-açúcar

 Conab temporario

A produção de cana-de-açúcar no Brasil registrou, na safra 2017/2018, queda de 3,6% na comparação com a safra anterior

Foram produzidos 633,26 milhões de toneladas, ante 657,18 milhões obtidos no ano anterior. Os números do encerramento da safra 2017/2018 foram divulgados ontem (24) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Essa queda
se deve, entre outros fatores, à diminuição da área usada para a produção de cana, que ficou em 8,73 milhões de hectares – número 3,5% menor do que a área da safra 2016/2017.
O açúcar apresentou retração de 2,1%, totalizando uma produção de 37,87 milhões de toneladas. A queda se deve ao menor preço do produto no mercado internacional, o que levou ao direcionamento de parte desta safra para a produção de etanol. Foi por causa desse direcionamento que houve menor quantidade de cana disponível no mercado. O etanol manteve-se praticamente no mesmo patamar do ano anterior, com produção de 27,76 bilhões de litros (quantidade 0,2% menor do que a anterior).
No caso do etanol hidratado, foram produzidos 16,68 bilhões de litros (redução de 0,3%). Como o governo, a fim de manter o consumo de gasolina, autorizou o aumento do álcool utilizado na mistura (o etanol anidro), a produção desse tipo de etanol aumentou 0,1%, atingindo uma produção de 11,09 bilhões de litros (ABr).

Varejo brasileiro deve apontar alta de 4,6% em junho

 Varejo temporario

Uma projeção realizada pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) sinaliza que o comércio brasileiro deverá registrar crescimento de 4,6% nas vendas, no período de 12 meses terminados em junho de 2018. “Ao longo deste primeiro semestre, o ritmo de recuperação do setor será intensificado, refletindo a melhora do poder aquisitivo das famílias ? dado que a inflação está mais baixa ?, a recuperação do emprego e a maior disponibilidade de crédito”, analisa Alencar Burti, presidente da ACSP.
Na variação acumulada em 12 meses, o varejo avançou 2,4% em janeiro e 2,8% em fevereiro, segundo o IBGE. A projeção da ACSP aponta aumentos de 3,9% em março, 4,1% em abril e 4,5% em maio. A variação em 12 meses elimina reflexos do chamado efeito-calendário, como feriados e quantidade de dias úteis. Na avaliação de Burti, “o período pré-eleitoral tende a influenciar menos o consumo das famílias em 2018; a questão política influencia mais o humor do empresariado”.
Ele lembra que a base fraca de comparação ajuda para a estimativa positiva de alta de 4,6% em junho, já que no mesmo mês do ano passado o comércio nacional caiu 3%. A projeção tem como base indicadores antecedentes construídos pelo Instituto de Economia da ACSP a partir de dados do IBGE e do Índice Nacional de Confiança/ACSP. Contempla o varejo restrito ? sem considerar, portanto, as vendas de automóveis e materiais de construção(AI/ACSP).

Aumentou a Demanda por Crédito do Consumidor no 1º trimestre

A Demanda por Crédito do Consumidor cresceu em 4,3% no 1º trimestre de 2018 na comparação com o mesmo período do ano anterior, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Em março houve queda de 1,8% na comparação mensal com dados dessazonalizados. No acumulado em 12 meses, o indicador avançou 2,7% (abril de 2017 até março de 2018 frente aos 12 meses antecedentes). Na avaliação interanual (março de 2018 frente a março de 2017), março apresentou queda de 3,5%.
Considerando os segmentos que compõem o indicador, no 1º trimestre o segmento Financeiro apresentou maior avanço, crescendo 9,8%. O segmento Não Financeiro avançou 0,5% na mesma base de comparação.
Com a gradual melhoria da atividade econômica, o consumo deve seguir em um movimento de recuperação, colaborando para elevação da demanda por crédito. Com as recentes melhorias nas perspectivas de juros e inflação, a tendência é a continuidade da retomada do indicador (SCPC).

Indústria eletroeletrônica abriu 4,6 mil vagas no 1º trimestre

O setor eletroeletrônico abriu 4.625 vagas de emprego no primeiro trimestre de 2018, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). Em março, o aumento do número de empregos totalizou 542 vagas, dando continuidade ao crescimento iniciado em janeiro (2.709 vagas) e observado em fevereiro (1.374 vagas). Com o resultado, o número total de empregados diretos passou de 234,2 mil em dezembro de 2017 para 238,8 mil em março.
No acumulado dos últimos 12 meses, o setor eletroeletrônico abriu 3.086 novas vagas. Segundo o presidente da Abinee, Humberto Barbato, este é o melhor primeiro trimestre desde 2013, quando o crescimento do emprego foi de 5.193 vagas de janeiro a março. “A expansão observada do emprego reflete uma gradual recuperação da atividade produtiva do setor eletroeletrônico”, afirma.
Apesar do crescimento, o setor ainda não recuperou as perdas recentes nos níveis de emprego. Em dezembro de 2014, a indústria elétrica e eletrônica empregava 294 mil trabalhadores (AI/Abinee)..

Melhora a pontualidade de pagamentos das pequenas

A pontualidade de pagamentos das micro e pequenas empresas atingiu 95,8% em março. Isto significa que a cada 1.000 pagamentos realizados no mês passado, 958 foram quitados à vista ou com atraso máximo de sete dias. Este nível de pontualidade foi maior que o verificado em fevereiro/18 (95,5%) e em março do ano passado (94,5%). É o que aponta o Indicador de Pontualidade das Micro e Pequenas Empresas da Serasa Experian, que acompanha as dívidas pagas pelas micro e pequenas empresas.
De acordo com os economistas da Serasa Experian, a continuidade da redução das taxas de juros e a maior disseminação do crescimento econômico favorecem financeiramente as micro e pequenas empresas, as quais conseguem melhorar, aos poucos, as suas capacidades de pagamentos. As empresas do setor comercial apresentaram o maior nível de pontualidade de pagamentos: 96,5%. Nas indústrias a pontualidade de foi de 95,3% e nas micro e pequenas empresas do setor de serviços foi de 94,9% (Serasa Experian).

 
Mais Lidas