PIB cresce 0,2% no 2º trimestre e chega a R$ 1,6 trilhão, informa o IBGE

É o segundo resultado positivo, uma vez que, no primeiro trimestre, o PIB cresceu 1% comparativamente ao quarto trimestre de 2016.

O Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todas as riquezas produzidas no país, fechou o segundo trimestre do ano com alta de 0,2% na comparação com primeiro trimestre, na série ajustada sazonalmente

Na comparação com o segundo trimestre de 2016, a variação do PIB foi de 0,3%. Os dados fazem parte de pesquisa divulgada pelo IBGE. Com o resultado, o PIB acumulado nos quatro últimos trimestres continua negativo em 1,4% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores, fechando os primeiros seis meses com “variação nula” em relação ao primeiro semestre de 2016. .
É o segundo resultado positivo consecutivo, uma vez que, no primeiro trimestre, o PIB cresceu 1% comparativamente ao quarto trimestre de 2016 – o primeiro número positivo depois de dois anos de quedas seguidas.
Esse resultado positivo mostra a Agropecuária com variação nula (0,0%), a Indústria com queda de 0,5% e os Serviços, que respondem por 73,3% do PIB, com alta de 0,6%. O resultado foi influenciado “pela evolução de alguns indicadores macroeconômicos ao longo do trimestre, como a desaceleração da inflação, a redução da taxa básica de juros e o crescimento, em termos reais, da massa salarial”.
A coordenadora de Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, Rebeca Palis, foi taxativa: “O comércio, pelo lado da oferta, e o consumo das famílias, pelo lado da demanda, foram as principais influências para a variação positiva de 0,2% do PIB”. Ela admitiu que a economia brasileira está em um ciclo de melhora, mas ainda não se configura uma recuperação e que os gastos [da sociedade] foram impulsionados por uma conjunção de fatores como o controle da inflação e o saque do FGTS. “Estamos num ciclo ascendente da economia, mas ainda não dá para chamar de recuperação”, disse (ABr).

Beneficiada por commodities, balança comercial tem superávit recorde em agosto

Exportações bateram novo recorde em agosto.

Beneficiada pela recuperação dos preços das commodities, a balança comercial registrou superávit recorde em agosto. No mês passado, o país exportou US$ 5,599 bilhões a mais do que importou. Esse é o melhor resultado registrado para o mês. Em agosto, as exportações somaram US$ 19,475 bilhões, alta de 14,7% em relação a agosto de 2016 pelo critério da média diária. As importações totalizaram US$ 13,876 bilhões, crescimento de 8% na mesma comparação também pela média diária.
De janeiro a agosto, a balança comercial registrou saldo positivo de US$ 48,109 bilhões. Nos oito primeiros meses do ano, o valor supera todo o superávit do ano passado, de US$ 47,692 bilhões. No acumulado de 2017, o país vendeu US$ 145,946 bilhões ao exterior, 18,1% a mais que o registrado no mesmo período do ano passado pela média diária. As compras do exterior somaram US$ 97,837 bilhões, crescimento de 7,3% pela média diária na mesma comparação.
Segundo o Ministério da Indústria e Comércio, o principal fator responsável pela melhora do saldo da balança comercial foi a evolução do preço das mercadorias exportadas, que subiram 13,6% de janeiro a agosto em relação aos mesmos meses do ano passado. O volume de mercadorias exportadas aumentou 4,4% na mesma comparação, beneficiado por safras recordes. A pasta estima que a balança comercial encerrará o ano com superávit acima de US$ 60 bilhões.
A valorização de preços concentrou-se nas commodities. Entre os produtos primários, as maiores altas foram registradas no minério de ferro (57,3%), no petróleo bruto (40,9%) e no café (16%). A alta de preços, no entanto, alastrou-se por outros setores. Entre os produtos semielaborados, os semimanufaturados de ferro e de aço subiram (37,6%), e o açúcar bruto valorizou-se 26%. As maiores valorizações de produtos industrializados foram registradas nos aviões (6,9%), nos veículos de carga (3%) e nos automóveis de passageiros (1,7%) (ABr).

Anatel estuda cassar autorizações do Grupo Oi

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou que discutirá a abertura de processos de caducidade das concessões e de cassação das autorizações do Grupo Oi. A medida foi proposta pelo coordenador do Núcleo de Ações, conselheiro Igor de Freitas, e será analisada pelo conselho diretor da Anatel. A concessionária de serviços de telecomunicações entrou em recuperação judicial em junho do ano passado e, na época, informou que tinha R$ 65,4 bilhões com credores.
Caso a abertura dos processos seja aprovada pelo conselho, eles serão instaurados e a empresa poderá demonstrar a viabilidade de seu plano de recuperação e apresentar sua defesa em relação às demais questões tratadas.
“O cenário de um desfecho desfavorável para o processo de recuperação judicial passa a ser considerado com maior probabilidade e, portanto, isso requer providências imediatas, considerando-se as consequências negativas que disso pode advir para a sociedade e para a economia brasileiras”, informou a Anatel.
Segundo a agência, após 14 meses do ajuizamento da recuperação judicial e com a assembleia de credores marcada para o próximo dia 9 de outubro, até agora não há perspectiva concreta de superação dos problemas da empresa, pois não há um plano que garanta a sustentabilidade das operações a médio e longo prazos (ABr).