Atividade econômica segue em trajetória declinante

A atividade econômica seguiu em trajetória declinante no país no início do segundo semestre, refletindo, sobretudo, os desempenhos negativos da indústria, das vendas do comércio e do setor de serviços, com impactos relevantes sobre o mercado de trabalho.

Essa avaliação consta do Boletim Regional, publicação trimestral divulgada pelo Banco Central (BC), com indicadores econômicos por regiões do país.
Para o BC, as perspectivas de recuperação da atividade econômica dependem fundamentalmente da reversão da confiança de consumidores e empresários nos próximos trimestres. “Adicionalmente, a mudança de patamar da taxa de câmbio deverá seguir favorecendo as regiões onde há maior representatividade das exportações na economia, com desdobramentos positivos sobre os respectivos mercados de trabalho”, acrescentou o BC.
De acordo com o boletim, as economias regionais repercutiram com intensidades distintas os impactos do atual ciclo. No Norte, diz o BC, a atividade econômica na região foi condicionada, no trimestre encerrado em agosto, pelas retrações observadas na produção industrial, nas vendas do comércio e na construção civil. O Índice de Atividade Econômica Regional da Região Norte (IBCR-N) recuou 1,5%, em relação ao trimestre finalizado em maio, de acordo com dados dessazonalizados (ajustados para o período) (ABr).