Mercado de imóveis e o direito de protocolo

O presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz França, celebrou a queda da liminar que vetava a prática do direito de protocolo em São Paulo desde fevereiro, travando o lançamento de novos projetos.

“Saímos de uma situação de caos para a volta à normalidade”, comentou. O líder empresarial destacou ainda a retomada da segurança jurídica, que vinha espantando investidores do setor.
“Os investidores, especialmente aqueles das companhias de capital aberto, estavam tremendamente preocupados. Agora, estarão mais seguros”, avaliou. Segundo França, os lançamentos tomarão agora seu ritmo normal, dependendo apenas da capacidade operacional de cada incorporadora e da avaliação sobre o ambiente econômico. Apesar dos gargalos neste começo do ano, o executivo reiterou sua expectativa de crescimento do mercado imobiliário paulistano em 2018.
Por conta da liminar, 65 empreendimentos deixaram de ser lançados na capital paulista. Esses projetos correspondem a 15,8 mil apartamentos, ou R$ 7,7 bilhões em valor geral de vendas (VGV), além de R$ 528 milhões em impostos e 55,8 mil empregos envolvidos nas obras e serviços. Os dados fazem parte do estudo mais recente realizado pela Abrainc em parceria com a Fipe. “O impacto foi absurdo”, salientou França.
O levantamento apurou também que outros 22 empreendimentos que já haviam sido lançados não poderiam receber o Habite-se enquanto a liminar estivesse vigente. Esses projetos somam 5,2 mil apartamentos, ou R$ 2,0 bilhões em valor geral de vendas (VGV) e R$ 174 milhões em impostos (AE).

Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP