Procuradoria pede nova prisão de ex-diretor da Dersa

A Procuradoria da República em São Paulo voltou a pedir a prisão do ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, apontado como operador do PSDB, em audiência,ontem (14).

Para o Ministério Público Federal, ele demonstrou “total desrespeito à Justiça” ao não comparecer à oitiva. Souza foi solto na sexta-feira (11), por decisão do ministro do STF, Gilmar Mendes.
O ministro também concedeu, em outra decisão, habeas corpus para que ficasse suspenso o interrogatório de Souza ontem (14). Na audiência, além de outros acusados, somente compareceram os advogados do ex-diretor da Dersa. Para a procuradora Adriana Scordamaglia, “independente da natureza da audiência e dos atos praticados em outra instância, diga-se, STF, o fato é que o acusado Paulo Vieira de Souza demonstrou total desrespeito à Justiça de 1ª instância e a todos os demais corréus que compareceram ao ato”.
“Não há justificativa para a sua ausência, sobretudo a desnecessidade da mesma em virtude de um HC que lhe concedeu a liberdade, não o dispensou de comparecimento aos demais atos processuais”, sustenta.
A procuradora ressalta que “o processo-crime tramita na primeira instância a quem tem o poder para dispensá-lo é o juiz natural da causa”.
“Assim, surgindo fato novo, independente dos já declinados no pedido de prisão preventiva que ainda persistem, o MPF manifesta-se pela nova decretação da prisão preventiva do acusado para garantia da instrução processual, da ordem pública e conveniência da mesma”. O advogado André Luiz Gerheim, que defende Souza, afirmou que “ao contrário do que afirmado pelo MPF, o réu apenas não compareceu ao presente ato por conta de decisão do STF que determinou que este ilustre juízo não iniciasse a instrução processual antes da apreciação das respostas à acusação” (AE).

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP