UE vai atuar pela preservação do acordo nuclear com o Irã

Após a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de abandonar o acordo nuclear com o Irã, o Conselho da União Europeia (UE) divulgou ontem (9) comunicado, no qual informa que manterá os esforços para preservar o pacto firmado em 2015.

O tom crítico do documento foi mesclado ao lamento pela iniciativa norte-americana.
A UE representa 28 nações, entre elas Reino Unido, França e Alemanha cujos representantes têm reunião marcada para segunda-feira (14) com autoridades iranianas. “Enquanto o Irã continuar a implementar seus compromissos nucleares, como vem fazendo até agora e foi confirmado pela Agência Internacional de Energia Atômica em 10 relatórios consecutivos, a UE continuará comprometida com a implementação total e efetiva do acordo nuclear”, diz o comunicado.
A UE afirmou que o acordo, aprovado por unanimidade pela Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU, é um elemento-chave da arquitetura global de não-proliferação nuclear e é crucial para a segurança da Europa. “A UE sublinhou repetidamente que o levantamento das sanções tem um impacto positivo nas relações comerciais e econômicas com o Irã”. O alívio das sanções não será retirado de maneira imediata, mas em até 90 dias, podendo demorar mais que esse período - no total de 180 dias.
O documento afirma ainda que o Acordo é fruto de 12 anos de diplomacia e que a UE está determinada a colaborar com a comunidade internacional para preservá-lo. “A União Européia (UE) lamenta profundamente o anúncio do presidente dos EUA, Donald Trump de retirar-se do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA)”, diz o comunicado (ABr).