Governo pode realocar recursos para intervenção no Rio

O governo poderá realocar recursos de ministérios para a intervenção no Rio de Janeiro, além de usar a arrecadação com a reoneração da folha, afirmou ontem (21), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em São Paulo, após participar de evento promovido pelo Banco do Brasil.

“O governo tem três alternativas: tirar recursos de outras áreas, coletar mais imposto, e aí a única coisa que estamos falando é a correção dessa distorção que é a reoneração da folha, e endividamento do governo”, disse o ministro.
“Em resumo, levando-se em conta tudo isso é que vamos estabelecer essa equação da fonte de receitas, mas também de realocações de outros ministérios, de outras áreas do governo, não só para o Ministério da Segurança, mas também para a intervenção”, afirmou.
O governo confirmou que destinará R$ 1 bilhão para a intervenção militar no sistema de segurança do Rio. O valor está aquém do divulgado pelo interventor federal, general Walter Braga Netto, ao afirmar que a intervenção precisa de R$ 3,1 bilhões para cobrir dívidas com fornecedores e colocar os salários em dia na área de segurança pública. Desse valor, o montante de R$ 1,5 bilhão teria que ser liberado ainda este ano.
Meirelles disse que conversou ontem com o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, sobre a taxação do aço. Segundo o ministro, a conversa foi para explicar ao secretário que a taxação prejudica a economia a própria indústria do aço americana. De acordo com Meirelles, Mnuchin disse que a explicação faz “todo o sentido” e se comprometeu a levar a posição a outras autoridades americanas (ABr).

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP