Taxa do aço pode dar em guerra comercial

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, disse na sexta-feira (9) que o governo vê com preocupação a decisão dos Estados Unidos de criar uma barreira à importação do aço brasileiro.

“É uma preocupação grande por estar criando uma barreira comercial. Essa política é questionável, mas não cabe à gente questionar a política de outros governos”, disse durante Seminário Internacional AGU [Advocacia Geral da União] 25 Anos.
Guardia acrescentou que a medida americana pode desencadear uma reação protecionista de outros países. “Isso vai na contramão do livre comércio e do aumento do fluxo de mercadorias, serviços e capitais, que é o que a gente defende e entende que seja o caminho para o desenvolvimento”, disse. Ele acrescentou que devido à importância do assunto, a reação não deve ser isolada, por apenas um país.
Em nota conjunta assinada pelos ministros Marcos Jorge (da Indústria e Comércio) e Aloysio Nunes (de Relações Exteriores), o governo brasileiro informou que “buscou, em sucessivas gestões, evitar a aplicação das medidas às exportações brasileiras, esclarecendo ao governo americano que os produtos do Brasil não causam ameaça aos interesses comerciais ou de segurança dos EUA” (ABr).