Saúde integra informações de oferta de medicamentos

O Ministério da Saúde começa hoje (25) a integrar em todo o país as informações de oferta de medicamentos.

Com isso, será possível saber, em estados e municípios, qual é o consumo em cada localidade e quantos são os medicamentos que estão próximos à data de vencimento, para que sejam devidamente aproveitados. As informações serão concentradas na Base Nacional de Dados da Assistência Farmacêutica.
A partir da disponibilização do novo sistema, estados e municípios terão 90 dias para começar a transmitir os dados. Além do estoque, entrada, saída e dispensação de medicamentos, poderão ser monitoradas em tempo real informações do paciente e das unidades de saúde. O sistema será capaz de calcular possíveis perdas, sugerir remanejamento de produtos e indicar o quantitativo que deve ser comprado para atender às necessidades do estado ou município.
A base já foi testada no Distrito Federal, em Alagoas, no Tocantins e no Rio Grande do Norte, onde foi possível evitar desperdício de até 30% dos fármacos entregues, o equivalente a R$ 20 milhões no terceiro trimestre de 2017. Segundo estimativa do Ministério da Saúde, caso a experiência seja replicada em todo o país, mais R$ 1,5 bilhão serão revertidos em medicamentos para a população.
“O sistema servirá para que possamos ter controle de toda a assistência farmacêutica do Brasil, evitando que medicamentos vençam na prateleira, ou sejam desperdiçados, e fazer o remanejamento de remédios, disse o ministro da Saúde, Ricardo Barros (ABr).