Dia mundial de combate ao abuso infantil_04

Dia mundial de combate ao abuso infantil

546c76700d41cc96db0e06b02d4ce9ab34eaceea68aa7 temproario

pagina 06 gray 16

No ano 2000, a Fundação Cúpula Mundial da Mulher (WWSF) lançou o ‘Dia Mundial de Combate ao Abuso Infantil’, que deve ser celebrado todo dia 19 de novembro. A data tem o objetivo de chamar a atenção para o problema do abuso infantil e para a necessidade de difundir programas que possam prevenir essas práticas. Nesta comemoração participam cerca de 130 países.

Tema muito importante e que precisa sair da sombra e vir à tona para que possa encontrar a cura. Com esse objetivo, o Jornal EMPRESAS & NEGÓCIOS começa uma campanha sobre o assunto. A cada sexta-feira, de hoje até o próximo dia 17, trará várias instituições e profissionais que abordarão o assunto. Acompanhe, leia, participe! Em nosso site (www.netjen.com.br), todas as matérias a respeito ficarão à disposição para leitura e pesquisa por tempo indeterminado.

 

Nosso projeto em comemoração ao Dia Mundial de Combate ao Abuso Infantil termina hoje.
Há muito a ser feito.
O maior mal para todos os envolvidos é o silêncio.
As pessoas envolvidas precisam falar, falar e falar.
A sociedade precisa tratar com respeito e não julgar os envolvidos.
Assim como aprendemos que o alcoólatra e dependente de drogas precisam de tratamento médico, o abusador e o abusado também precisam de tratamento.
Ninguém sai impune e sem sequelas.
Geralmente, quando há o abuso e consequentemente o trauma, a criança interna ficará ferida.
Quem escreve com propriedade sobre a criança interna ferida é John Bradshaw no livro “Volta ao Lar – Como resgatar e defender a sua criança ferida”.
01 temproarioNo futuro, em situações onde chamamos de gatilho, quem reagirá será a criança interna.
Por este motivo encontramos tantos adultos com atitudes infantis perante alguns problemas.
É a criança interior ferida que faz com que o adulto seja reativo.
Um grito, um menosprezo, um abandono, uma falta de respeito ao corpo da criança (abuso sexual, surras, espancamentos e até mesmo cócegas exageradas onde a criança pede para parar e não é atendida), causam esse ferimento.
Cada criança terá uma reação a cada um dos eventos citados acima. Uma traumatizará, outra não.
Mas a criança merece respeito!
Merece nossa educação com muito obrigada, pedido de desculpa e por favor.
Merece ser ouvida e merece que o adulto acredite nela.
Hoje em dia todos nós enfrentamos uma crescente falta de respeito a várias opções que fazemos no dia a dia. Parece que o respeito precisa ser apenas de adulto para adulto. O respeito precisa ser exercido também com a criança. Com nossos filhos, sobrinhos, netos, primos.
Uma criança criada com respeito saberá respeitar seu próximo, pois vive o respeito dentro da própria casa.
Há um ditado popular que diz: O hábito de casa sai à rua.
Geralmente confundimos respeito pela criança com liberdade excessiva.
A falta de limite é um tipo sério de abandono, mas limite com surras e gritos são tipos sérios de abuso.
Criança respeitada e ouvida não se tornará uma criança mimada nem agressiva.

 

“Uma oração”.
Recuse-se a cair.
Se não se recusar a cair,
Recuse-se a ficar no chão.
Se não puder se recusar a ficar no chão,
Eleve seu coração aos céus.03 temproario
E, como mendigo faminto,
Peça que o encham,
E ele será feito.
Podem empurrá-lo para baixo.
Podem impedi-lo de se levantar.
Mas ninguém pode impedi-lo
De elevar seu coração aos céus.
Só você.
É no meio da aflição
Que tantas
Coisas ficam claras.
Quem diz que nada de bom
Resultou disso,
Ainda não está escutando.
Clarice Pinkola Estes.

 

Apresentamos uma série de livros onde os interessados encontrarão maiores informaçõesc3d05-bibliografia temproario

Assagioli, Roberto (2013). Psicossíntese – As Bases da Psicologia Moderna e Transpessoal. São Paulo – SP. Editora Pensamento-Cultrix
Bogado, Anna Patrícia C. (2009). Corpo – Prazer, dor e luz. Lorena – SP. Editora Diálogos do Ser.
Bradshaw, John (1933). Volta ao Lar: Como resgatar e defender sua criança interior. Rio de Janeiro – RJ – Editora Rocco
Bradshaw, John (1988). Curando a Vergonha Tóxica que impede de viver. Rio de Janeiro – RJ: Editora Rosa dos Tempos.
Levine, Peter A. (1999). O despertar do tigre – Curando o trauma. São Paulo – SP: Editora Summus.
Levinex, Peter A. (2010). Uma voz sem palavras – Como o corpo libera o trauma e restaura o bem-estar. São Paulo – SP: Editora Summus.
Maslow, Abraham H. Introdução à Psicologia do Ser. Rio de Janeiro – RJ:
Livraria Eldorado Tijuca Ltda.
Rossi e Neto (2012). Práticas Psicoterápicas e Resiliência. Diálogos com a Experiência Somática. São Paulo – SP.