Gabriel Rossi (*)

“Sindicatos brasileiros são como paquidermes entardecidos - pesados e ultrapassados”.

O fim da contribuição sindical vai resultar no extermínio dessa montanha de sindicatos que há hoje no Brasil. Com o término dessas taxas impositivas, outras e novas lideranças, relevantes, atuais, para realmente defenderem a classe e não os próprios interesses, irão aparecer e esse será apenas um dos benefícios.

A forma com que era estruturada a questão, até mesmo com a ligação de boa parte a partidos políticos, impacta de forma negativa lideranças jovens e idealistas. Infelizmente, com o tempo, essas entidades de classe ficaram estagnadas e, aos poucos, foram perdendo o seu real propósito. O trabalhador acaba se tornando um penduricalho desnecessário porque acabam olhando somente para si e não para as necessidades do empregado e para o mercado ao qual ele pertence.

Olham para os espelhos quando deveriam se preocupar com as janelas.

Além desses fatores, é possível notar que há uma grande demagogia não só dos sindicatos. Muitos advogados trabalhistas defendem a CLT, que data de 1940, mas pouco se fala que essas leis não atendem a nova dimensão que o trabalho tomou tão pouco dos trabalhadores. Essas normas são verdadeiros empecilhos para que o colaborador possa negociar as suas horas trabalhadas, e, em contrapartida, aprisiona o empreendedor.

Não é à toa que o Brasil tem índices baixíssimos de empreendedorismo, afetando a taxa de emprego e o crescimento do país como um todo.

A defesa cega e ultrapassada da CLT limita o crescimento. Quer uma prova? Afinal, do que se tratou a mobilização da última sexta-feira? Apenas para reivindicar a manutenção do imposto sindical. A luta contra as supostas reformas foi apenas cortina de fumaça. Em tempo: o país possui o maior, e mais vergonhosa quantidade de sindicatos que se valeram da reforma trabalhista para militarem a favor do imposto.

Vale lembrar que o sindicalismo possui a sua importância dentro do panorama de uma democracia saudável, e não importa o direcionamento ideológico com a conjuntura do momento. Mas, do jeito que está, com conceitos confusos de “justiça social”, mais atrapalha do que ajuda o país.

Outro ponto pouco abordado: temos que acabar com o sindicato único por categoria. Isso é uma excrecência democrática contemporânea. Tenho a certeza de que tanto o fim da reforma trabalhista como o imposto sindical são as melhores coisas que podem acontecer para o trabalhador brasileiro.

Pelo ponto de vista do marketing e gerenciamento de imagem, essa greve foi um verdadeiro tiro no pé, porque prejudicou o trabalhador mais pobre, aquele que ainda atua na informalidade. Afinal, ele não tem os muitos benefícios daqueles que estavam na rua protestando, sem contar o vandalismo.

Cada vez mais a CUT e similares se distanciam da realidade porque almejam uma imposição na marra, o que não acontece.

(*) - Professor da ESPM, palestrante profissional em marketing, estrategista especializado na construção e no gerenciamento de marcas e reputação e diretor-fundador da Gabriel Rossi Consultoria, com passagens por instituições como Syracuse/Aberje, Madia Marketing School, University of London e Bell School.