Leonardo Sasazaki (*)

Qualidade é fundamental e intrínseca a qualquer atividade produtiva. Não deveria ser um diferencial, mas um dever e a base para uma atuação responsável em todos os aspectos.

Pensar em qualidade é falar em responsabilidade. Mais do que oferecer produtos duráveis e funcionais, indústrias dos mais diferentes segmentos devem ter como foco atuação voltada à valorização do mercado, do meio ambiente e, acima de tudo, da sociedade e do consumidor. Garantir a durabilidade dos produtos e, principalmente, a segurança física e patrimonial das pessoas é assegurar também a perenidade da própria marca e o respeito ao mercado.

Os diversos setores produtivos lutam para a manutenção de práticas econômicas, administrativas e sociais saudáveis, que imprimam um conceito mais amplo de qualidade e permitam uma competitividade mais justa, em condições igualitárias. Estas condições estão diretamente relacionadas a temas árduos – mas recorrentes – como a sonegação técnica e fiscal, que, ao final, prejudicam o mercado e colocam em risco a vida de consumidores.

Nos últimos anos, fabricantes, fornecedores de matérias-primas, órgãos técnicos e várias entidades setoriais vêm trabalhando em conjunto no combate a práticas irregulares, com bons resultados. Em julho de 2017, foi a vez do setor de esquadrias buscar a certificação junto ao Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) e, com isso, obter a regulamentação da segurança e qualidade dos produtos, válida para todo o mercado nacional. Trata-se do Programa de Certificação de Esquadrias para Edificações.

Ainda há um caminho a ser percorrido. Paralelamente às questões técnicas, desenvolvem-se esforços para maior conscientização de toda a cadeia produtiva e também do consumidor final quanto à importância do atendimento às normas de produção. Somente um mercado responsável, integrando indústrias, comércio, órgãos técnicos e fiscalizadores e poder público, poderá transformar totalmente o setor, coibindo práticas ilegais e danosas e punindo irregularidades.

A responsabilidade é de todos. A certificação demonstra a credibilidade da indústria e o selo identifica o fabricante e o produto certificados. Exigir qualidade mínima nos produtos e aplicar as sanções devidas em caso de descumprimento das determinações, bem como atribuir corresponsabilidade a fabricantes e revendedores, abrem mais possibilidades para o combate à sonegação fiscal, forma de atuação prejudicial para toda a sociedade.

A formalidade técnica e fiscal é um dever e necessária em todos os aspectos. Torna a concorrência mais leal, favorece a diferenciação das marcas por parâmetros mais individuais – como portfólio, atendimento, serviços – e estabelece equilíbrio ao mercado. Cada acidente evitado, cada consumidor satisfeito, cada obra segura é uma vitória.

Os progressos são visíveis, mas trata-se de um processo contínuo de conscientização e adequação. Comerciantes e consumidores devem ser informados sobre a importância de exigir produtos certificados de empresas que consigam garantir seus processos, bem como marcas que atuem de forma regular em termos fiscais.

É desta forma que o mercado se afirma, que o País cresce, que edificações são conservadas e, acima de tudo, que vidas são poupadas.

(*) - É presidente da Sasazaki e do Conselho Deliberativo da Indústria - que está completando 75 anos, sendo considerada a empresa de portas e janelas de aço e alumínio que mais lança inovações.

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP