Contato: (11) 3043-4171

Valéria Motta (*)

Ter um plano de carreira ainda é um objetivo que muitos profissionais buscam e esperam das organizações.

Não é incomum ouvir indagação a respeito disso nos encontros com colaboradores, e sempre que me deparo com ela, me questiono sobre o que ainda não foi dito, de forma que a pergunta possa ser outra. Por que o desafio da "carreira" não vem de quem a busca? Isto é, porque "carreira" é algo esperado e não proposto por quem a deseja?

É possível que isso não ocorra porque há ainda muitas pessoas e organizações que ignoram ou não se apropriaram do fato de que já vivemos em um ambiente – nas empresas, no país e no mundo – que não nos dá certezas fixas. As mudanças ocorrem sem muita – ou nenhuma – previsão, estamos muito mais interdependentes e cheios de dúvidas sobre o futuro.

Enquanto delineiam o futuro do negócio – ou futuros –, apontam caminhos e direções, as empresas também devem desenhar, inspirar, promover e construir caminhos possíveis para o desenvolvimento coletivo e individual. Desenhar alternativas e munir as pessoas com informações e recursos que as suportem em suas decisões no ambiente de negócios, e dentro do conjunto de valores da organização, é o papel que cabe aos líderes, gestores e aos RHs.A área de Recursos Humanos tem papel importantíssimo nesse cenário.

No lugar do desenho de carreiras preconcebidas e lineares, pode viabilizar uma estrutura flexível e modular de desenvolvimento que estimule a experimentação de papeis e assunção de responsabilidades cada vez mais abrangentes e interligadas e investir na formação de gestores capazes de construir propostas de desenvolvimento à medida que a complexidade dos negócios se altera e novos futuros se apresentam.

Desenvolver uma visão de conjunto e o entendimento das relações intrincadas do sistema organizacional, do negócio, do mercado e do mundo, saber fazer leituras, simular cenários interdependentes, planejar e executar com visão de projeto, focar com ouvidos atentos e olhar aberto, comunicar-se e negociar alternativas etc. são competências que todos devemos buscar para estarmos prontos para as oportunidades.


Assim, entendo plano de carreira como uma trilha de possibilidades, a qual quando decido percorrê-la devo estar relativamente pronto e aberto, pois surpresas e imprevistos virão, dificuldades surgirão, encontros acontecerão, insights, ideias e novas demandas surgirão para modificar o rumo exigindo firmeza e flexibilidade ao mesmo tempo.

O que importa para não nos perdermos é ter o foco em mente e em mãos próprias.

(*) - É diretora de RH da Hughes no Brasil, empresa líder mundial em telecomunicações via satélite, com 50 anos de atuação no País.
(www.hughes.com.br).

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171