Sergio Uribe (*)

Muitas vezes nossa imaginação não é suficiente para ver a imagem completa de um cenário e entender seu significado como um todo.

Por exemplo, quando você pensa em fazer uma reforma em sua casa demolindo algumas paredes e criando uma sala maior. O arquiteto geralmente produz desenhos e mais desenhos atualizados em 2D e, se tiver ferramentas mais modernas, pode mostrar-lhe imagens em 3D que simulam o resultado final. Mas a melhor maneira de realmente sentir e experimentar a nova sala seria caminhar, ver o novo espaço e imaginar onde os móveis podem ser colocados, certo?

A maneira mais eficiente de fazer isso antes que a reforma seja concluída é por meio da realidade virtual. Com essa tecnologia, a sua casa atual, com as mudanças planejadas, pode ser criada em um cenário simulado em experiência 3D e, com óculos e controles especiais para suas mãos, você pode ter a mesma visão que o arquiteto de sua nova sala, o que lhe permitirá andar, tocar e “sentir” o espaço como se estivesse realmente no ambiente.

Em outras palavras, a realidade virtual ajuda você a ver coisas que não estão lá. Com esta ferramenta fantástica, você estará melhor preparado para tomar decisões sobre importantes projetos. Essa tecnologia tem possibilidades quase ilimitadas de uso e está em rápida expansão, indo muito além de seu foco inicial, que tinha como principal aplicação o entretenimento.

Dados da consultoria IDC mostram que as receitas mundiais das áreas de realidade virtual e realidade aumentada (que mescla o mundo virtual com o real) crescerão até 2021 com um índice de mais de 100% ao ano. Estima-se que os gastos totais em serviços e produtos do setor tenham superado US$ 11,4 bilhões no ano passado, valor que deve chegar a US$ 215 bilhões até 2021.

Rapidamente as empresas perceberam que a realidade virtual é muito mais que uma aplicação para games e para o entretenimento de forma geral. Há muitos benefícios de RV que podem ser alcançados também no ambiente corporativo, com a adoção dessa tecnologia a várias ferramentas corporativas.

Em um evento recente, demonstramos uma experiência de realidade virtual para exemplificar como pode ser difícil localizar um dispositivo IP em um prédio usando a documentação da infraestrutura tradicional, em comparação com uso dessa tecnologia (clique aqui para ver o vídeo).

Com o uso de um capacete de RV, luvas especiais e a ferramenta imVision, o profissional mergulhou no ambiente virtual, com a impressão de estar sentado confortavelmente na mesa do gerente de TI, com duas telas grandes à sua frente e um teclado. De repente, ele é informado que um dispositivo IP está infectado por um vírus e que precisa localizá-lo.

Em apenas um minuto o profissional consegue identificar o equipamento contaminado, reduzindo sensivelmente o tempo para realização dessa tarefa. A realidade virtual é uma tecnologia que veio para ficar, e os fabricantes de soluções e departamentos de TI das empresas precisam se preparar para lidar com esse novo e promissor cenário.

(*) - Lidera a área de suporte técnico para a solução imVision, da CommScope, na região da América e Caribe. É engenheiro com especializações em sistemas de cabeamento estruturado, redes de fibra, gerenciamento de projetos e gerenciamento de processos TI

Mais Lidas