Milton Nonaka (*)

A eterna juventude está na capacidade que as pessoas têm de cultivar sonhos, no eterno desejo de avançar, de crescer material e espiritualmente.

O aspecto físico pode mudar e as forças esmorecerem com o passar dos anos, mas elas permanecem sempre jovens se nunca perderem a capacidade de idealizar, criar e realizar. “Trabalhar faz parte da natureza humana. Cada indivíduo possui capacidade de criar coisas conforme sua personalidade. E o trabalho nunca fica sem recompensa. Quando essa recompensa chega, ela enche a alma de alegria”, diz o mestre japonês Ryuho Okawa no livro Trabalho e Amor, que aponta caminhos e estratégias para a construção de uma carreira brilhante.

O espírito jovem é fonte de mais vida e emana da força interior de cada pessoa, construída sobre a fé e a compreensão da própria vocação divina – sem deixar de lado o entusiasmo em trabalhar pela própria felicidade e a felicidade dos outros. Esse espírito nos leva a ter prazer no trabalho e nos torna pessoas úteis na construção de um mundo melhor, a começar pela comunidade em que vivemos. Pessoas assim ganham o respeito e a simpatia de todos.

A ausência de sonhos, em qualquer faixa etária, trava o crescimento espiritual e material. É animador conviver com idosos que se comportam como se fossem viver para sempre. Na contramão, é triste encontrar jovens vivendo como se estivessem à beira da morte. Pessoas sem esperança, sem perspectivas, costumam se deixar levar por pensamentos negativos. Não conseguem enxergar – ou não querem enxergar – suas virtudes e capacidades. Preferem se portar como vítimas perante tudo e todos, buscando a piedade dos outros e vestindo o manto do desânimo. São pessoas que tornam o ambiente pesado, negativo.

O mundo de hoje, com suas múltiplas facilidades tecnológicas, está contribuindo para corroer a capacidade de as pessoas preservarem seus valores, sua fé e sua força interior. É comum deparar com pessoas depressivas e sem sonhos, a ponto de muitas precisarem de cuidados médicos. Funcionários assim se tornam improdutivos. Podem ser competentes, mas se tornam um problema para as organizações – além de ser um desafio para suas famílias também.

“Para ser capaz de dedicar a vida ao trabalho, a coisa mais relevante é, sem dúvida, o entusiasmo. Você deve avançar acreditando que esta é sua vocação divina”, afirma Okawa (também em Trabalho e Amor). “As pessoas que são incapazes de encontrar prazer onde deveriam, que nunca estão satisfeitas, irão tentar de tudo, dedicando-se a uma variedade de coisas, mas sem nunca conhecer a verdadeira satisfação”.

Que cada um, em qualquer idade, consiga renovar seus sonhos de crescimento interior, de felicidade e também de justas conquistas materiais. A cada dia é possível dar um passo adiante – no conhecimento da Verdade, no combate a um vício, na aprendizagem de um idioma, na conclusão de um curso, na formação de uma poupança para a compra de uma casa, de um carro, ou na preparação de uma viagem. Neste ano de 2018, em especial, cultivemos sonhos de novos tempos para nosso país, compartilhando otimismo e entusiasmo com os que nos cercam. Se todos cultivarem pensamentos positivos, o Brasil será melhor.

Ryuho Okawa, no livro As Leis da Invencibilidade, diz que “nossos sonhos devem criar um mundo ideal, mesmo que nosso poder seja pequeno. Nosso objetivo deve ser o de florescer totalmente dentro de nossa vocação de vida, viver nosso tempo aqui na Terra da maneira mais plena possível e sentir orgulho por nosso modo de vida. Também devemos aspirar fazer com que nossa sociedade, nossa nação e nosso mundo se tornem lugares melhores.” Sonhos não têm prazo de validade. Portanto, cada pessoa deve renovar seus sonhos todos os dias.

(*) - É consultor de novos negócios da editora IRH Press do Brasil, que publica as obras de Ryuho Okawa, que tem mais de 2.300 livros publicados, ultrapassando 100 milhões de cópias vendidas, em 29 idiomas (www.okawalivros.com.br).

Mais Lidas