ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

J. A. Puppio (*)

A crise no Brasil não foi provocada pelo povo brasileiro.

A população sabe que a crise foi planejada e trabalhada pelos políticos incompetentes, que usaram dinheiro do povo para satisfazer as próprias vontades.

Não é problema de arrecadação, todos sabemos que o Brasil foi roubado, mas o que ainda está difícil de desvendar é quem ficou com o dinheiro, quantas pessoas, afinal, foram beneficiadas com os desvios e corrupções pelas quais o Brasil, ainda passa, diariamente.

Aliás, se falarmos em arrecadação, o Brasil é um dos países que mais arrecada no mundo, isso por conta de seus altos impostos que, raramente, são repassados para os lugares onde realmente deviam chegar. Outro ponto também importante e que nós, povo, ainda não conseguimos fazer as contas é de quanto cada órgão público perdeu durante esses roubos.

Os rombos que ficaram nas organizações que deviam ter o máximo cuidado com nosso dinheiro são grandes incógnitas e a única certeza que temos é que somos nós que pagamos as contas. Alguns exemplos dessas dúvidas são o total perdido pela Petrobrás, pela Eletrobrás, qual foi o prejuízo que esses órgãos perderam e para onde e/ou quem foi o dinheiro roubado.

Do mesmo jeito, quais foram os prejuízos dos fundos de pensões como o dos Correios, do Banco do Brasil, Caixa Econômica e do BNDES, e quem foi o beneficiário do dinheiro do rombo. O povo também não sabe quantos assessores os deputados, senadores, governadores, prefeitos têm e em quais órgãos estes assessores estão alocados e quanto ganham.

Tudo que se utiliza do dinheiro do povo precisa ser esclarecido, mas não é possível oferecer o poder da verificação ao povo, uma vez que ainda existem muitos ladrões desconhecidos e outros tantos com poder para julgarem os corruptos já apresentados.

Enquanto o poder do dinheiro do povo parar nas mãos dos ‘propineiros’ não ficaremos sabendo de verdade. Não teremos como descobrir para onde e como serão gastos os tantos reais que pagamos em impostos. Não será possível descobrir quantos são corruptos enquanto todas as esferas estiverem envolvidas de alguma forma nos esquemas que assolam o país.

Vejam outro exemplo de dinheiro que ninguém sabe de onde vem e muito menos para onde vai, a Mega Sena, que ainda não investigada e é uma das maiores incógnitas do nosso sistema.

Por fim, temos de deixar clara nossa insatisfação com a situação do Brasil, mas temos também que ir atrás de resoluções e não apenas ficar nos lamentando nas rodas de conversa, o dinheiro é nosso e a cobrança também precisa ser!

(*) - É empresário e autor do livro “Impossível é o que não se tentou”.

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171